António Guterres: “China é um apoio para mundo aberto e multilaterismo”

  • Lusa
  • 13 Maio 2017

Guterres considera que a China demonstrou ser "um firme apoio a um mundo aberto e ao multilateralismo" ao organizar o forúm "Nova Rota da Seda". Encontro começa domingo em Pequim.

O secretário geral da ONU, António Guterres, afirmou hoje que a China demonstrou ser “um firme apoio a um mundo aberto e ao multilateralismo”, ao organizar o fórum “Nova Rota da Seda”, a decorrer em Pequim, a partir de domingo.

Após um encontro com o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, hoje, António Guterres disse que esta iniciativa representa uma “visão estratégica e a longo prazo”, que considerou “única”.

Pequim recebe, no domingo e na segunda-feira, 28 chefes de Estado que vão participar no fórum “Nova Rota da Seda”, um gigante plano de infraestruturas que coloca a China no centro da futura ordem mundial.

Divulgado em 2013 pelo Presidente chinês, Xi Jinping, o plano visa reativar a antiga via comercial entre a China e a Europa, através da Ásia Central, África e sudeste Asiático.

O responsável das Nações Unidas explicou que a organização vai trabalhar com a China para ajudar os países em desenvolvimento a conseguirem um crescimento mais rápido e a ajustar-se à Agenda 2030.

O político português destacou que a iniciativa chinesa é uma “contribuição chave” para enfrentar os problemas globais através da cooperação internacional.

O plano inclui uma malha ferroviária de alta velocidade, portos e autoestradas, e vai abranger 65 países e 4,4 mil milhões de pessoas – cerca de 60% da população mundial.

A iniciativa vai permitir reiterar a proeminência da China como um poder dominante na Ásia, onde a sua cultura e economia exerceram outrora forte influência sobre os países vizinhos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Guterres: “China é um apoio para mundo aberto e multilaterismo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião