Bankia e BBVA são os preferidos na corrida ao Popular

  • Rita Atalaia
  • 17 Maio 2017

Três bancos mostraram-se interessados na compra do Banco Popular. Mas há duas instituições que melhor se posicionam para ficarem com o banco espanhol: Bankia e BBVA estão na frente da corrida.

A operação de venda do Banco Popular está a andar a todo o vapor. Depois de ter terminado o prazo para a apresentação de ofertas, já há dois preferidos nesta corrida. Bankia e BBVA são os que melhor se posicionam para ficar com o banco espanhol. Quem ficar com o Popular conseguirá a liderança no mercado em Espanha.

De acordo com o jornal Cínco Dias (conteúdo em espanhol / acesso livre), várias fontes avançam que até o ministro da Economia, Luis de Guindos, encorajou cinco bancos espanhóis a apresentarem uma oferta inicial ao banco liderado por Emilio Saracho. Santander, BBVA e Bankia demonstraram interesse no Banco Popular. Por outro lado, o CaixaBank e o Sabadell acabaram por abandonar esta corrida. Mas, neste momento, apenas o BBVA e o Bankia parecem, segundo o jornal, dispostos a comprar o Popular.

O CaixaBank está concentrado no português BPI e não está interessado em comprar o Popular, segundo várias fontes. O Sabadell, por seu lado, está dedicado a integrar o britânico TSB. O Bankia também está envolvido numa fusão com o BMN. Mas a dimensão deste banco espanhol é tão reduzida que consegue fazer as duas operações ao mesmo tempo, caso decida fazer uma oferta numa segunda fase. Notícias que estão a animar as ações do Banco Popular: os títulos sobem perto de 2%.

Ações do Popular estão a recuperar

Fonte: Bloomberg

Em reação oficial, o Popular informou o regulador do mercado espanhol que registou várias manifestações de interesse numa eventual operação de fusão de negócios, sem revelar de onde vieram essas propostas. “Procedeu-se a uma primeira troca de informação com diversas entidades e solicitou-se uma manifestação de interesse preliminar para o dia de hoje para continuar a análise de uma possível operação”, indica o banco liderado por Saracho.

A venda do banco espanhol acontece numa altura em que a instituição liderada por Emilio Saracho está a passar por dificuldades com o elevado volume de ativos tóxicos, sobretudo relacionado com o imobiliário. Na última intervenção junto dos acionistas, Saracho sublinhou que o Popular “está condenado a aumentar o capital” ou então a fundir-se com outro banco. Isto acontece depois de ter apresentado prejuízos históricos de 3,5 mil milhões de euros em 2016.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bankia e BBVA são os preferidos na corrida ao Popular

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião