Espanha: Cristiano Ronaldo vai ser acusado de fraude fiscal

  • ECO
  • 19 Maio 2017

O jornal El Confidencial refere que o futebolista português já expressou, por um porta-voz, que "nunca houve intenção de cometer fraude". A acusação prende-se com os direitos de imagem de CR7.

Cristiano Ronaldo vai ser acusado de fraude fiscal em Espanha, de acordo com o jornal El Confidencial, com base em fontes próximas do caso. A Autoridade Tributária do país vizinho estará a finalizar a acusação contra o futebolista português, já que o caso, que remonta a 2011, prescreveria a 30 de junho.

A investigação Football Leaks, relacionada com alegações de fraude fiscal por internacionais do futebol, começou por ser divulgada ela revista alemã Der Spiegel e foi depois partilhada com jornais como o El Mundo, que divulgou em dezembro alegações de que Cristiano Ronaldo teria desviado mais de 150 milhões de euros em direitos de imagem para paraísos fiscais, sem os declarar em Espanha.

Um porta-voz da agência que representa Cristiano Ronaldo respondeu ao El Confidencial, sobre a finalização das acusações contra o jogador, que “nunca houve intenção de cometer fraude”, já que “a Agência Tributária espanhola tem critérios diferentes” sobre os direitos de imagem, já que a lei de então demonstrava que o jogador só precisaria de declarar em Espanha os ganhos que tinham tido lugar nesse país e não os totais a nível mundial.

Após Madrid ter já levado a tribunal Xabi Alonso e Fábio Coentrão, entre outros, finalizará então agora a acusação contra Cristiano Ronaldo. Os novos casos em Madrid seguem-se a uma iniciativa de fiscalização em Barcelona que envolveu, entre outros, Lionel Messi.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanha: Cristiano Ronaldo vai ser acusado de fraude fiscal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião