Comércio Investe: Governo deve entre 1,5 e dois milhões de euros a empresas, diz confederação

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 20 Maio 2017

Há empresas que ainda esperam por reembolsos referentes a projetos apresentados na primeira fase de candidatura, no final de 2013, diz a CCP, que já expôs o assunto ao Governo.

O Governo deve entre 1,5 e dois milhões de euros a empresas e associações do comércio, relativos a incentivos no âmbito do programa Comércio Investe, afirmou a confederação representativa do setor ao ECO.

Os atrasos são “muito significativos”, garante a confederação liderada por João Vieira Lopes, e chegam a estar relacionados com a primeira fase de candidatura, que decorreu no final de 2013. Face às queixas recebidas, a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) já expôs o assunto ao Secretário de Estado Adjunto e do Comércio, Paulo Ferreira.

No documento enviado, a que o ECO teve acesso, a CCP define como “inexplicável” que “associações e empresas ainda aguardem pelo reembolso de pedidos de projetos apresentados no âmbito da 1ª fase de candidatura “, que decorreu entre setembro e dezembro de 2013, e acrescenta que “começa igualmente a ser inadmissível para os projetos apresentados na 2ª fase, tendo em consideração que a mesma decorreu entre fevereiro e abril de 2015”.

O programa Comércio Investe, virado para a modernização do comércio tradicional, insere-se no âmbito do Fundo de Modernização do Comércio, financiado nomeadamente pelas taxas pagas pela grande distribuição quando está em causa a abertura ou modificação de estabelecimentos.

“Os atrasos nos pagamentos do Comércio Investe, e anteriormente do MODCOM, são recorrentes, o que é estranho num sistema de incentivos cujo suporte financeiro decorre de taxas cobradas e previamente pagas por empresas“, nota a confederação empresarial. “Estes atrasos só podem traduzir um completo alheamento do Governo face aos problemas das empresas de comércio e também das suas associações, o que é lamentável”, adianta ainda.

Os atrasos em causa, refere a CCP, podem “não só comprometer o sucesso do projeto, mas também a viabilidade das próprias empresas pelas dificuldades de tesouraria que estas situações provocam, bem como pelos custos bancários, diários, que estas suportam pelos financiamentos obtidos”. “Há, inclusive, registo de empresas que já executaram todo o investimento previsto” e “estão aguardar pelos respetivos reembolsos, em certos casos, quase há um ano”, frisa o documento enviado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comércio Investe: Governo deve entre 1,5 e dois milhões de euros a empresas, diz confederação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião