BCE vê “excessiva exuberância” nos preços das casas

Os preços das casas têm subido em todos os países do euro. Em alguns, de forma mais expressiva do que noutros, à boleia do contexto de juros muito baixos. O BCE está em alerta.

O Banco Central Europeu (BCE) está preocupado com a valorização dos preços das casas nas capitais dos países do euro. Alerta que poderá haver uma “excessiva exuberância” em alguns mercados. Sem nunca referir Lisboa, ou Portugal, o banco central nota no Relatório de Estabilidade Financeira que esta escalada nos valores das habitações está a ser patrocinada, em parte, por investidores estrangeiros.

“Apesar das divergências na evolução dos preços a nível regional poderem ser justificadas por fatores fundamentais, tais como diferenças no rendimento, emprego, dinâmicas da população e serviços, podem também sinalizar uma exuberância excessiva nos preços das casas em determinadas áreas, por exemplo devido à forte presença de compradores estrangeiros”, diz o relatório.

Esta exuberância, que o BCE nota particularmente em cidades como Berlim, Paris, Viena e Amesterdão, poderá levar a um efeito de contágio ao resto do país. “Neste sentido, uma monitorização próxima da tendência dos preços dos imóveis parece necessária já que poderá indicar um crescendo das vulnerabilidades nos mercados imobiliários a nível nacional”.

A escalada dos preços das casas é resultado, além dos compradores estrangeiros, do contexto de taxas de juro muito baixas. “A evolução exuberante dos preços das casas em zonas específicas poderá ameaçar a estabilidade das instituições financeiras mais expostas ao crédito hipotecário concentrado nessas zonas. Isto num contexto de taxas de juro baixas que leva a uma procura por rentabilidade”, remata.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE vê “excessiva exuberância” nos preços das casas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião