Banca estrangeira aposta no negócio das casas

  • ECO
  • 21 Maio 2017

Os promotores imobiliários nacionais estão a ser sondados por bancos alemães e holandeses, que são atraídos pelo boom do mercado e por spreads mais altos, avança o DN/Dinheiro Vivo.

bancos europeus a sondar promotores imobiliários nacionais, com vista a financiar novos projetos que estavam até agora parados por dificuldades de acesso ao crédito, avança o DN/Dinheiro Vivo neste domingo (acesso pago). Em causa, estão, sobretudo bancos alemães e holandeses que procuram tirar partido do boom do mercado imobiliário nacional, bem como de spreads mais altos que podem conseguir.

Os contactos estarão a ser feitos junto de property advisors, segundo revelou uma fonte do mercado imobiliário. “Pedem-nos que sejamos uma espécie de ponte com os promotores para anunciar que há interesse em conceder crédito. É bom para as empresas que não encontram alternativas viáveis junto da banca portuguesa e é bom para os bancos estrangeiros, que nos países de origem financiam a construção com spreads de 1% e aqui podem ganhar taxas de 3%“, referiu ao jornal.

Luís Lima, presidente da APEMIP, confirmou ao jornal a existência deste tipo de contactos. “Há realmente vontade de bancos estrangeiros em financiar a construção em Portugal”, afirmou o representante das imobiliárias, que vê com bons olhos essa entrada de bancos estrangeiros no mercado de crédito nacional. “Pela saúde do mercado, equilíbrio de preços e até redução da especulação que infelizmente começa a surgir é importante que haja nova construção“, salienta Luís Lima.

"Pela saúde do mercado, equilíbrio de preços e até redução da especulação que infelizmente começa a surgir é importante que haja nova construção.”

Luís Lima, APEMIP

Segundo os cálculos da APEMIP, a banca nacional está a conceder apenas 5% do crédito que circulava antes da crise. Acresce ainda o facto de, apesar da recuperação, o crédito às empresas de construção baixou 14,3% e está em mínimos de 16 anos. “A construção ainda é vista em Portugal como um setor de risco e, estando os bancos portugueses mais pressionados em termos de rácios de capital, têm mais dificuldade em conceder empréstimos. A carteira de crédito malparado na construção é muito elevada. Os bancos estrangeiros, de maior dimensão, têm maior capacidade para oferecer crédito“, explica ao DN/Dinheiro Vivo fonte da banca.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banca estrangeira aposta no negócio das casas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião