Novo Banco fecha venda do Novo Banco Ásia por 145,8 milhões

O banco liderado por António Ramalho concretizou a venda de 75% do capital social do Novo Banco Ásia. A restante posição vai ser alienada ao longo dos próximos cinco anos.

O Novo Banco concretizou a venda de 75% do capital do Novo Banco Ásia, operação que vai render ao banco liderado por António Ramalho um montante de 145,8 milhões de euros. O remanescente vai ser alienado ao longo dos próximos cinco anos.

“No seguimento do comunicado de 4 de agosto de 2016, o Novo Banco informa que concretizou a venda de 75% do capital social do Novo Banco Ásia, S.A., a um grupo de investidores liderados pela Well Link Group Holdings, sociedade constituída em Hong Kong, por um valor de 145,8 milhões de euros”, refere o comunicado enviado à CMVM.

O banco refere que “o acordo de venda assinado prevê ainda um conjunto de opções de compra e venda, com condições já acordadas, que cobrem os restantes 25% e são exercíveis num prazo até 5 anos perfazendo um preço total para os 100% de 183 milhões de euros”.

Tendo em conta apenas esta “primeira fase da transacção, nos termos e condições agora definidos, terá um impacto positivo significativo, estimado de 25 a 30 pontos base no rácio de capital Common Equity Tier 1 do Novo Banco”.

O banco presidido por António Ramalho, que está em processo de venda ao Lone Star, diz que esta “transação representa mais um importante passo no processo de desinvestimento de ativos não estratégicos do Novo Banco, prosseguindo a sua estratégia de foco no negócio bancário doméstico e ibérico“.

“No entanto, a manutenção de uma presença acionista do NOVO BANCO no capital do NOVO BANCO Ásia nos próximos 5 anos permitirá desenvolver o seu pilar estratégico de apoio à exportação e internacionalização das empresas portuguesas numa zona geográfica tão importante, designadamente em toda a sua componente do trade finance”, conclui.

(Notícia atualizada ás 17h47 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco fecha venda do Novo Banco Ásia por 145,8 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião