Nuno Amado: “Todos temos capacidade para emprestar”

O presidente do BCP defendeu esta quarta-feira que a CGD deve continuar pública, mas recusou comentar a capitalização do banco. E mostrou-se desfavorável à solução do NB mas frisou: "É a vida".

Nuno Amado, presidente do Millennium BCP defendeu esta tarde, em Braga, que a banca portuguesa tem capacidade para emprestar.

O presidente do BCP falava no ECO Talks, inserido na 2ª Semana da Economia, organizada pela InvestBraga. Amado adiantou que se antes o rácio da banca era de 100 euros de depósito para cada 165 euros de crédito, o rácio atual é de 100 para 100. E isso são boas notícias.

"Todos temos capacidade para emprestar e houve um período em que não foi assim. ”

Nuno Amado

Presidente do BCP

Para Nuno Amado, o momento de normalização e de equilíbrio aconteceu quando o “BCE realizou os leilões a prazo”.

O homem forte do BCP frisou ainda que as empresas portuguesas financiam-se hoje em 40 pontos base abaixo da dívida pública portuguesa. Amado fez mesmo a comparação com as empresas espanholas que se “financiam acima da dívida pública espanhola em 30 pontos base”.

“O que eu digo [às empresas] é que não olhem só ao preço. O preço é importante, temos de ser concorrenciais, mas olhem a longo prazo às relações de parceria”, conclui.

Ainda na questão do financiamento à economia, o presidente do BCP frisou que “o crédito diminuiu onde tinha de diminuir e aumenta onde tem de aumentar”. Mas deixa um alerta: “Acredito que o stock de crédito pode diminuir porque temos que desalavancar a economia”.

De fora deste corte ao financiamento, garantiu Nuno Amado, está o crédito ao setor produtivo e, também, às exportações.

Sobre uma eventual bolha no sector do imobiliário, Amado descartou esta possibilidade e relembrou que os preços das casas em cidades europeias, inclusive em cidades secundárias, “é muito superior ao praticado em Portugal”.

Rating da República

Para Nuno Amado, a banca nacional já passou o cabo das Tormentas e está agora no cabo da Boa Esperança. Mas, para que essa passagem possa ser acelerada, frisou, falta um passo essencial: “Melhorar o rating da República”.

“É absolutamente essencial para o país, para as empresas e para a banca. Essa ainda é uma condição essencial e estou confiante que vai ser revisto, caso não se altere o rumo seguido nos últimos tempos”, sublinhou.

"É absolutamente essencial para o país, para as empresas e para a banca. Essa ainda é uma condição essencial e estou confiante que vai ser revisto, caso não se altere o rumo seguido nos últimos tempos.”

Nuno Amado

Presidente do BCP

Amado relembra que existe um “preconceito significativo sobre o país face aos erros do passado” o que, do seu ponto de vista, “foi mais do que justificado”.

Mas a revisão do rating da República tem um pressuposto: a diminuição sustentável e permanente da dívida do Estado.

Ainda assim, Nuno Amado mostrou-se confiante de que o rating da República seja revisto.

“É expectável que haja uma revisão do rating quando a dívida descer, mas vai depender da rapidez com que esse passo seja dado, e é preciso uma evolução de alguns trimestres [e não apenas de um]”.

“Defendo uma CGD pública”

Nuno Amado confessou esta tarde, em Braga, que, se antes era defensor de uma Caixa Geral de Depósitos semi-pública, a sua opinião mudou entretanto.

"Hoje, conhecendo os mecanismos da União Bancária, sou favorável em manter uma CGD pública. Mas é bom ter o capital adequado e não ter mais do que o adequado.”

Nuno Amado

Presidente do BCP

Sobre as imparidades registadas pelo banco público, Amado adiantou que o BCP fez provisões de 1600 milhões de euros. “Fizemos as provisões que achámos que devíamos fazer”, garantiu.

A Fosun, que entrou recentemente no capital do BCP, foi também motivo de análise por parte do presidente do banco. Amado frisou que é preciso criar valor para os acionistas.

“Quer para os novos acionistas, a Fosun, quer para os antigos acionistas, o que tentamos demonstrar é o potencial a prazo do BCP”.

“O banco e os acionistas antigos e novos têm o objetivo de criar valor num modelo de governance adequado”, rematou.

De resto, Nuno Amado adiantou que “o mercado é pequeno, a concorrência é grande e a exigência dos reguladores sobre a bancos é enorme”. Por isso, “temos de ser muito mais eficientes e bastante próximos dos nossos clientes e parceiros”.

“A solução do Novo Banco não é a solução que eu goste”

Nuno Amado confessou que não é adepto da solução encontrada para o Novo Banco. “Não é uma solução que eu goste mas é a vida”, frisou.

O presidente do maior banco privado português salientou, contudo, que o encerramento do processo é importante e urgente. “O encerramento do dossiê é importante, é necessário e tem urgência”, sublinhou, para acrescentar: “Mas é uma opinião que, ao BCP, custa assumir, para ser claro”.

Banco mau: “É um tema que temos de analisar”.

O regulador europeu tem defendido a criação de um veículo que agrupe o crédito malparado da banca. Nuno Amado não fugiu ao tema para adiantar: “É um tema que temos de analisar”.

“Se eu puder ter uma solução económica viável e não disruptiva do capital, o BCP está totalmente interessado em avaliar”, garantiu o presidente do BCP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nuno Amado: “Todos temos capacidade para emprestar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião