‘Cluster’ da aeronáutica representa 1% cento do PIB

  • Lusa
  • 26 Maio 2017

De acordo com o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, este ‘cluster’ conta com mais de 18 mil postos de trabalho.

O ministro da Economia revelou esta sexta-feira que o ‘cluster’ aeronáutico em Portugal representa “1%” do Produto Interno Bruto (PIB), emprega “mais de 18 mil pessoas”, e produz “mais de 1.700 milhões de euros”.

“As 70 empresas que estão identificadas neste ‘cluster’, que tem mais de 18 mil postos de trabalho, produzem já hoje 1.700 milhões [euros] o que dá, de facto, 1% do PIB”, disse Manuel Caldeira Cabral.

De acordo com o ministro da Economia, que falava à agência Lusa à margem da sua intervenção no certame aeronáutico Portugal Air Summit, que está a decorrer no Aeródromo de Ponte de Sor, no distrito de Portalegre, as empresas envolvidas no ‘cluster’ exportam 85% da sua produção, o que representa “cerca de 1.500 milhões [euros]”.

“Este ‘cluster’ aeronáutico afirmou-se, foi-se consolidando, tem hoje já um conjunto de 70 empresas a trabalhar diretamente para o “cluster”, tem empresas de setores muito variados, desde a metalomecânica, empresas que também fazem componentes para automóveis, empresas de construção de aviões e software, entre outras”, explicou.

Para o governante, o ‘cluster’ da aeronáutica em Portugal tem um “potencial de crescimento muito grande” e, traz consigo, “valor acrescentado” ao país.

“Há um enorme potencial para crescimento e um enorme potencial que o país pode desfrutar para continuar a manter os bons números de crescimento que tem vindo a registar nestes últimos trimestres”, sublinhou.

Manuel Caldeira Cabral enalteceu ainda o trabalho desenvolvido pelo município de Ponte de Sor no aeródromo municipal daquela cidade alentejana, sublinhando que o espaço é “um polo de competitividade” no interior do país.

“Penso que a Câmara de Ponte de Sor dá aqui um exemplo, como estando no interior, utilizando e aproveitando bem os recursos que se tem, neste caso era um aeródromo, pode-se construir um polo de competitividade”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

‘Cluster’ da aeronáutica representa 1% cento do PIB

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião