Setor automóvel e aeronáutico condenados a partilhar tecnologia

O futuro vai passar pela partilha de tecnologia entre os setores aeronáutico e automóvel é a primeira conclusão a retirar do projeto europeu AEROCAR.

Os setores aeronáutico e do automóvel estão condenados a partilhar tecnologia, de modo a maximizar o impacto dos desenvolvimentos tecnológicos recentes e futuros. Esta é a principal conclusão do projeto europeu AEROCAR conduzido em Portugal pelo INEGI (Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial — cuja apresentação decorre esta tarde na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

Luís Pina, investigador do INEGI e gestor do projeto AEROCAR adianta, em declarações ao ECO, que “apesar destes setores partilharem já tecnologia têm diferentes necessidades e diferentes prioridades, nomeadamente ao nível dos tempos e custos de produção e ainda no que respeita aos processos de inovação“. Para Luís Pina, este facto leva a que “os dois setores incorporem as tecnologias de maneira diferente”. “Temos de fazer essa avaliação de modo a identificar as oportunidades de transferência tecnológica intersetorial”. E relembra que “estes dois setores são os que têm maior impacto económico e tecnológico na União Europeia”.

Para o investigador do INEGI, “Portugal está bem posicionado porque, apesar de não termos grandes fábricas, como a Airbus, temos muitas empresas a fabricar componentes para essas fábricas, com muita e alta tecnologia incorporada”.

Luís Pina faz questão de referir que “o estudo vai decorrer durante três anos, tendo apenas passado os nove primeiros meses, por isso isto são apenas conclusões preliminares”.

O projeto AEROCAR é promovido pelo INEGI, em colaboração com dois centros tecnológicos de investigação, desenvolvimento e inovação espanhóis: o Centro Tecnológico Automóvel da Galiza (CTAG) e a Leartiker, e o centro francês de investigação e desenvolvimento Rescoll.

A importância desta temática é tanto mais relevante na medida em que, segundo a Comissão Europeia, a indústria automóvel é responsável por um volume de negócios de cerca de 640 mil milhões de euros anuais, ou 4% do PIB (produto interno bruto) da União Europeia e dá emprego a 12 milhões de pessoas.

Já a indústria aeronáutica gera um volume de negócios de 140 mil milhões de euros e empregava em 2013 mais de meio milhão de pessoas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Setor automóvel e aeronáutico condenados a partilhar tecnologia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião