Sócios da Deloitte recebem 53 milhões através de Malta

  • ECO
  • 27 Maio 2017

Só em 2015, os sócios da Deloitte Portugal receberam, em média, 1,1 milhões em dividendos. Isto através de Malta, o país da UE que oferece os impostos mais baixos aos empresários não residentes.

Os sócios da Deloitte receberam 53 milhões de euros em dividendos livres de impostos em apenas um ano. Rendimentos de 48 partners que foram canalizados através de Malta, o Estado-membro da União Europeia que oferece os impostos mais baixos a todos os empresários não residentes no país. Isto desde que aceitem transferir para lá os lucros obtidos no país de origem.

De acordo com o Expresso (acesso pago), só em 2015, cada um dos sócios da Deloitte Portugal recebeu, em média, 1,1 milhões de euros em dividendos através desta estrutura complexa. O jornal avança que a estrutura montada pela auditora tira partido da política do Governo daquele país de devolver aos acionistas estrangeiros de empresas registadas em Malta mais de 85% dos impostos que teoricamente são cobrados à cabeça com uma taxa de 35%. Na prática, representa uma taxa efetiva de 5% de imposto.

Documentos divulgados através de um projeto do consórcio europeu de jornalismo de investigação — “Malta Files” — mostra a forma a Deloitte recorreu a várias soluções legais para poupar nos impostos sobre os dividendos distribuídos. Os ficheiros também mostram, segundo o Expresso, que os sócios da Deloitte em Portugal criaram pelo menos cinco empresas em Malta.

Uma das empresas, registada com o nome Deloitte International Limited, fatura serviços de consultoria a clientes fora de Portugal, sobretudo em Angola. Ao Expresso, a auditora disse que “os rendimentos de operações internacionais (como Angola) pagam imposto nesses países”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sócios da Deloitte recebem 53 milhões através de Malta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião