Lisboa vai ter estacionamento a 50 cêntimos fora do centro

  • ECO
  • 29 Maio 2017

Ameixoeira, Pontinha, Areeiro e Pedrouços vão ter parques "dissuasores", com preços simbólicos, para convencer os condutores a não levarem o carro para o centro.

A Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) prepara-se para lançar parques de estacionamento de baixo custo fora do centro da cidade, avança, esta segunda-feira, o Público (acesso condicionado). Os quatro parques que para já estão previstos terão um custo “simbólico”, de 50 cêntimos por dia, para os condutores que tenham um título de transporte público.

Ameixoeira (um parque de 500 lugares, que será aberto já em junho), Pontinha (2.000 lugares), Areeiro (300) e Pedrouços (150) são os quatro locais onde serão construídos parques. Para além destes, estão ainda a ser negociados preços mais baratos com as empresas privadas que gerem os parques do Estádio da Luz (800 lugares), do Estádio de Alvalade (200) e do Pingo Doce da Bela Vista (370).

A ideia é dissuadir os condutores de entrarem no centro da cidade, explica ao Público Luís Natal Marques, presidente da EMEL. “Serão sempre parques a preços meramente simbólicos. Por 50 cêntimos por dia, desde que tenha um título de transporte, a pessoa deixa ali o carro e vai para o seu trabalho”, refere.

Estes 50 cêntimos por dia ficam significativamente abaixo do que é cobrado, atualmente, para se estacionar no centro da cidade. Estacionar o carro das 9h às 19h numa zona verde custa um total de oito euros; na zona amarela, passa para 11,20 euros; e na zona vermelha são 16 euros.

Numa fase posterior, a EMEL pretende ainda alargar-se para lá do concelho de Lisboa. “Temos vindo a conversar com a Câmara de Odivelas porque a câmara sente necessidade de fazer o ordenamento do estacionamento no Senhor Roubado. Aquilo é um pandemónio em termos de estacionamento e pediram o nosso auxílio. Será também um parque dissuasor, muitos dos que ali deixam o carro já vão apanhar o metro”, diz Luís Natal Marques.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa vai ter estacionamento a 50 cêntimos fora do centro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião