EMEL: Lisboa vai ficar com menos estacionamento e mais caro

  • ECO
  • 3 Maio 2017

A EMEL prepara-se para dividir mais as zonas de estacionamento na maioria das freguesias da capital, o que lhe permitirá aumentar as receitas, avança a Renascença. Moradores são prejudicados.

Menos zonas para estacionar e mais caras. É este o cenário com que muitos moradores de Lisboa se preparam para enfrentar. A Empresa Municipal de estacionamento de Lisboa (EMEL) prepara-se para dividir mais as zonas de estacionamento na maioria das freguesias da cidade de Lisboa, uma alteração que irá permitir à empresa aumentar as suas receitas, avança a Renascença.

De acordo com a rádio Renascença, esta previsível alteração das regras de estacionamento na capital ainda estão em consulta pública, mas já estão a ser alvo de críticas por parte dos residentes e dos comerciantes. Uma das freguesias onde já estará a ser preparada essa mudança é Alvalade, onde há oito zonas de estacionamento que deverão passar a ser 18.

Os moradores que têm direito a um dístico para estacionar de forma gratuita na zona onde residem, deverão ser penalizados por essa subdivisão de zonas de estacionamento da EMEL, já que passam a ter uma zona geográfica bastante mais limitada para estacionar. O processo que prevê essas alterações ao estacionamento em Lisboa está em consulta pública e pode ser visto no site da EMEL.

Esta notícia surge depois de, em julho de 2016, a assembleia municipal de Lisboa ter aprovado alterações ao Regulamento Geral de Estacionamento. O documento prevê a implementação de Zonas de Estacionamento de Duração Limitada em toda a cidade e a extensão da atividade da EMEL a todo o concelho.

Já no mês passado, a instalação de parquímetros na freguesia de Carnide suscitou protestos da população residente na zona. Mais de 200 moradores arrancaram sete parquímetros da EMEL durante a noite, alegando que estes lhes foram impostos sem uma consulta prévia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EMEL: Lisboa vai ficar com menos estacionamento e mais caro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião