IRC: prazo termina no final do mês. O que pode deduzir?

  • ECO
  • 30 Maio 2017

A declaração modelo 22 é entregue por via eletrónica. Prazo para entregar declaração e pagar imposto termina na quarta-feira.

Termina no dia 31 de maio o prazo para as empresas entregarem a declaração de IRC e pagarem o respetivo imposto.

A declaração modelo 22 é entregue por via eletrónica e o Ministério das Finanças já reconheceu, em resposta a uma pergunta do PCP, que a aplicação respetiva foi disponibilizada “mais tarde do que é desejável”, acrescentando depois que isso teve a ver sobretudo com a “necessidade de incluir alterações legislativas cuja concretização se revestiu de alguma complexidade”.

As mudanças face a 2016 não são muitas. Sabe como poupar neste imposto? O grupo Your dá alguns exemplos:

  • Donativos a entidades na área social, cultural, ambiental, científica ou tecnológica, desportiva e educacional, podem ser considerados um custo da empresa e com majoração para efeitos fiscais (dedução adicional entre 20% a 50% do custo para efeitos da determinação do lucro tributável em IRC). No entanto, a legislação impõe limites e estabelece requisitos a cumprir pelo mecenas e pelos beneficiários.
  • A contratação de trabalhadores jovens até 35 anos, inclusive, ou desempregados de longa duração, beneficia de uma dedução adicional ao lucro tributável, correspondente a 50% dos custos com esses trabalhadores (dentro de certos limites). Isto respeitando critérios de criação líquida de emprego. O benefício aplica-se no ano da contratação e durante cinco anos, mas não acumula com outros apoios ao emprego.
  • Cumprindo um conjunto de requisitos — que incluem a detenção de uma participação de pelo menos 10% — os lucros e reservas distribuídos ou recebidos por empresas não concorrem para o lucro tributável sujeito a IRC. A dedução também é aplicável aos lucros recebidos de empresas no estrangeiro.
  • Também pode ser deduzido um valor correspondente à remuneração convencional do capital social, calculada através da aplicação de 5% ao montante das entregas efetuadas em dinheiro pelos sócios para o capital. Aplica-se a entradas até dois milhões de euros, e, em 2016, apenas para PME’s, quando os sócios sejam exclusivamente pessoas singulares, sociedades de capital de risco ou investidores de capital de risco.
  • O Regime Fiscal de Apoio ao Investimento (RFAI) prevê uma dedução à coleta do IRC de 25% das aplicações relevantes (ativos fixos tangíveis, com exceções, e alguns ativos intangíveis). Para investimentos superiores a cinco milhões de euros, a dedução é de 10%. Nos investimentos realizados nas regiões do Algarve, Grande Lisboa e Península de Setúbal, a dedução está limitada a 10% das aplicações. O benefício fiscal abrange as empresas nos setores agrícola, florestal, agroindustrial e turístico e ainda a indústria extrativa ou transformadora.
  • O Sistema de Incentivos Fiscais em Investigação e Desenvolvimento Empresarial (SIFIDE II) consiste na dedução à coleta do IRC de uma percentagem das despesas relacionadas com atividades de investigação e desenvolvimento. A dedução tem uma taxa base de 32,5% das despesas e uma taxa incremental correspondente a 50% do acréscimo das despesas do exercício relativamente à média dos dois exercícios anteriores, até ao limite de 1,5 milhões de euros. O benefício depende de candidatura.
  • Para 2016, a Dedução dos Lucros Retidos e Reinvestidos (DLRR) abrange micro, pequenas e médias empresas, e consiste na dedução à coleta do IRC até 10% dos lucros retidos que sejam reinvestidos em aplicações relevantes no prazo de dois anos, com um limite anual de cinco milhões de euros. Consideram-se relevantes os investimentos em ativos fixos tangíveis adquiridos em estado novo, com exceções, como terrenos, edifícios (salvo quando afetos a atividades produtivas ou administrativas), ou viaturas ligeiras. O valor da dedução está limitado a 25% da coleta do IRC.
  • As empresas com atividade no estrangeiro devem avaliar a possibilidade de recuperar eventual imposto suportado no estrangeiro.
  • Para as pequenas e médias empresas é aplicável uma taxa de IRC de 17% aos primeiros 15 mil euros de matéria coletável.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IRC: prazo termina no final do mês. O que pode deduzir?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião