Passos teme mais cortes nas despesas correntes da saúde

Passos Coelho disse esta terça-feira que "quando certo tipo de investimento não é feito, é muito difícil que as pessoas não sintam isso no dia-a-dia", referindo ao setor da saúde.

O ex-primeiro-ministro afirmou esta terça-feira, em visita ao Hospital de Faro, que se o Governo não vai cortar no investimento público para cumprir o défice de 2017, há a possibilidade de vir a cortar a despesa corrente, nomeadamente na área da saúde. Acompanhado por deputados do PSD, Pedro Passos Coelho defendeu que essa despesa ao nível dos serviços correntes “não são coisas que podem ficar à espera”. O líder da oposição criticou o Governo por fazer cortes em “circunstâncias de maior normalidade como aquela que vivemos hoje”.

O atual Executivo acertou numa coisa para Passos Coelho: cumpriu a meta do défice. “É importante para o país, não me canso de dizê-lo”, admitiu esta terça-feira, em declarações ouvidas através da SIC Notícias. Contudo, o líder do PSD alertou que, se o Governo não fizer corte no investimento público para alcançar a meta orçamental — tal como fez em 2016 –, pode vir a fazê-lo ao nível dos serviços correntes, com especial incidência no setor da saúde.

“Se o Governo quiser cumprir a meta do défice — e espero que a possa cumprir — e os resultados de execução orçamental seguirem o mesmo padrão do ano passado — e até à data há sinais de que isso pode acontecer — então o Governo vai ter de ajustar de outra maneira“, afirmou Passos Coelho. O líder dos sociais-democratas teme que esse corte seja feito na despesa corrente. À saída de uma reunião de três horas com a administração do Hospital de Faro, acompanhado por uma comitiva social-democrata, Pedro Passos Coelho argumentou que essa despesa “é serviço, não são coisas que podem ficar à espera”.

Passos Coelho considerou que “quando certo tipo de investimento não é feito, é muito difícil que as pessoas não sintam isso no dia-a-dia”, referindo-se a exemplos como o tempo de espera nos hospitais. Além disso, o líder da oposição disse existirem custos acrescidos com a reversão do horário de trabalho semanal de 40 para 35 horas. “Quando não há dinheiro para as pagar, contrata-se um serviço externo mais e fica-se a dever“, acusou, aumentando a dívida para fazer um serviço.

Confrontado com os cortes que executou no setor da saúde e no menor investimento feito entre 2011 e 2015, Passos Coelho admitiu que na altura não existia dinheiro para o fazer. “Canalizámos os recursos que tínhamos para melhorar os serviços“, justificou-se.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passos teme mais cortes nas despesas correntes da saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião