Passos Coelho: “Valeu bem a pena termo-nos esforçado”

O PSD alerta para que não haja um "solavanco histórico" novamente, preocupação partilhada pelo CDS. PS congratula os portugueses pela vitória, mas parceiros à esquerda pedem mais margem para gastos.

O líder da oposição reagiu à notícia de que a Comissão Europeia recomendou a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) com um alerta: é preciso “evitar que esta data volte, no calendário nacional e europeu, a ser mais um marco deste solavanco histórico em que temos vivido e seja, pelo contrário, um marco decisivo para não repetir o passado e fazer diferente”. Isto porque o país já saiu e entrou no procedimento várias vezes, algo que deve ser evitado. Uma preocupação partilhada pelo CDS que alerta: “Esta oportunidade não pode ser desperdiçada”.

À esquerda, o Partido Socialista ficou isolado a classificar a saída de Portugal do PDE como “uma grande vitória para os portugueses”. O Bloco de Esquerda considerou que “sair do PDE é importante para investir na economia e nas pessoas”. Já o PCP recusou-se a classificar de boa esta notícia uma vez que a “lógica de chantagem” da Comissão irá continuar e que continua a existir “um défice da produção, da criação da riqueza e a dependência externa do país”. O PEV afirmou que a saída do PDE “vem confirmar sobretudo que é possível crescer sem castigar as pessoas”.

PSD felicita portugueses, mas chumba estratégia do Governo

Em conferência de imprensa, Pedro Passos Coelho afirmou esta segunda-feira que, apesar de não subscrever a estratégia orçamental do atual Executivo, ficou “satisfeito” por Portugal ter conseguido atingir a meta orçamental e, por isso, sair do Procedimento por Défices Excessivos. “São sobretudo os portugueses quem hoje quero fecilitar“, disse o líder do PSD, referindo que “foram eles ao longo de vários anos quem viveu com as consequências” e “foram eles a quem coube a parte de leão de um esforço imenso”. “Durante esses três anos [2011, pedido de ajuda externa até 2014, saída limpa] os portugueses viveram um tempo de enorme severidade, mas também de enorme superação”, afirmou Passos.

Passos Coelho congratulou-se por ter descido o défice de 11,2% em 2011 para 3% em 2015, referindo que “valeu bem a pena termo-nos esforçado”. Contudo, “se é importante enaltecer o que é positivo”, disse Passos, também “é do mais elementar bom senso, realismo positivo e construtivo” referir que “sair do PDE não resolve tudo e não dispensa o imenso trabalho” que o país tem fundamental. Assim, o líder do PSD pediu ao Governo “menos calculismo eleitoral e mais arrojo e abertura ao reformismo”. “Vale a pena recordar que é sempre hoje que se escolhe o futuro que nos vai bater à porta”, afirmou.

O ex-primeiro-ministro fez uma retrospetiva histórica daquilo que foi o percurso do país, tendo entrado e saído deste procedimento por diversas vezes, algo que não quer que aconteça atualmente. “É indispensável que desta vez seja diferente”, afirmou Passos Coelho, argumentando ser necessário um crescimento sustentado e não fruto da conjuntura, tal como a descida do défice. O alerta é, por isso, para que não se repita o passado. Os próximos passos para o líder da oposição é a melhoria da notação de risco do nosso pais — “objetivo essencial para obter mais recursos” e “para aceder a custos de financiamento mais baixos” — e a luta pelas desigualdades.

PS: “A saída de Portugal do PDE é uma grande vitória para os portugueses”

No Parlamento, em declarações transmitidas pela SIC Notícias, João Galamba classificou esta recomendação da Comissão Europeia como um “resultado da maior importância para o país e para a nossa economia”. Mas é aos cidadãos que o porta-voz do Partido Socialista se dirige: “A saída de Portugal do Procedimento por Défices Excessivos é uma grande vitória para os portugueses”. Galamba viu esta notícia como um “voto de confiança” de Bruxelas, referindo que o “mérito é de todos”.

É muito importante que, depois de um ano de muita dificuldade, em que muitos desconfiavam da alternativa política implementada em Portugal“, afirmou o deputado socialista, “através dos resultados Portugal conseguiu demonstrar que esta alternativa era a correta”. Para Galamba este é o “reconhecimento de uma retoma sustentável” e um “sinal muito encorajador para o país e para o Governo”. Contudo, alertou também que “este resultado não é o fim da linha”.

BE: “O que é que o país vai fazer com a margem acrescida que esta saída nos dá?”

A pergunta foi deixada por Mariana Mortágua numa altura em que o Bloco está a negociar com o Governo o próximo Orçamento de Estado. Na Assembleia da República, a deputada bloquista disse ser necessário “proteger quem foi mais castigado por estas regras” da Comissão Europeia, onde se incluir o PDE, de onde Portugal saiu esta segunda-feira. “Sempre que Portugal conseguiu contrariar esses princípios ficou melhor”, considerou Mortágua e, por isso, “sair do PDE é importante para investir na economia e nas pessoas”.

Para a bloquista, a prioridade do país deve ser investir na saúde, educação, serviços públicos e nos trabalhadores pobres. Para Mariana Mortágua é ideia de que “as pessoas fizeram sacrifícios que valeram a pena é errada”. A deputada do BE afirma que “vai demorar muito tempo até reconstruir o que foi destruído” e “fazê-lo no âmbito das regras europeias demorará muito mais tempo”. “Toda a margem tem de ser utilizada para reganhar direitos, dignidade, democracia, capacidade de investimento no SNS, educação, rendimentos”, concluiu.

CDS: Mérito é dos dois governos

João Almeida afirmou que “o mérito é dos dois Governos que politicamente conduziram a situação do país” para que fosse possível sair do PDE. O centrista disse que o partido sente “orgulho de ter participado nesse esforço na altura mais difícil” — ainda que “com custo do ponto de vista de popularidade” –, elogiando o “contributo decisivo das famílias” para esta boa notícia para todo o país. “O PS no essencial manteve a trajetória que já existia”, afirmou.

O PS no essencial manteve a trajetória que já existia.

João Almeida

Deputado do CDS

Contudo, o deputado do CDS alertou que “esta oportunidade não pode ser desperdiçada”, pelo que Portugal deve ter “de uma vez por todas” um crescimento sustentado e uma situação de finanças públicas “diferente da que tivemos até hoje”. João Almeida considerou que o país tem de aproveitar a “melhor conjuntura que existiu até hoje”, incluindo a política monetária do Banco Central Europeu e a diminuição do preço do petróleo. Tudo isto “possibilitará a breve prazo” uma subida de ratings e a revisão das metas do crescimento.

PCP: Lógica de chantagem da Comissão vai prosseguir

João Oliveira disse que a saída do PDE “provavelmente não será motivo suficiente para que a União Europeia deixe de chantagear Portugal”. O líder parlamentar do PCP afirmou que este era “um instrumento de impor a Portugal medidas de destruição da capacidade produtiva”. Por isso, o deputado comunista considerou que a “lógica de chantagem e ameaça” continuará.

Para os comunistas o mais importante é acabar com o “défice da produção, da criação da riqueza e a dependência externa do país”. “É preciso que se dê resposta adequada a isso”, alertou o deputado comunista, além de ser necessário resolver o problema da renegociação da dívida. “Sempre considerámos que aquilo que era prioritário era dar resposta aos problemas do país”, concluiu.

PEV: “É possível crescer sem castigo”

José Luís Ferreira considerou que “esta notícia vem confirmar sobretudo que é possível crescer sem castigar as pessoas”. Agora é necessário que “Portugal continue a resistir a eventuais pressões por parte da Comissão Europeia”, afirmou o deputado ecologista, referindo que o Governo deve implementar “políticas de combate ao desemprego e à precariedade”, mais investimento público, tudo medidas que o PEV vai continuar a “exigir” por considerarem ser “justas”.

Ferro Rodrigues: Saída do défice excessivo é “excelente notícia”

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, definiu esta segunda-feira como uma “excelente notícia” a indicação de que a Comissão Europeia decidiu recomendar o encerramento do Procedimento por Défice Excessivo (PDE) aplicado a Portugal desde 2009. “Enquanto estivéssemos no Procedimento por Défice Excessivo tínhamos margem de manobra diminuída e um controlo excessivo por parte das instituições europeias em relação à evolução das nossas políticas“, assinalou Ferro Rodrigues, classificando a recomendação de Bruxelas ao Conselho de Ministros das Finanças da União Europeia (Ecofin) de “excelente notícia”.

O presidente da Assembleia da República falava à Lusa e à Antena 1 em Vila Real, à margem da sessão de abertura do Fórum Parlamentar Luso-Espanhol, que junta deputados dos dois países e aborda a presença de Portugal e Espanha na Europa, antecipando a cimeira ibérica da próxima semana com os chefes de Governo de ambos os países. “É uma bela notícia para coroar esta sessão de abertura”, declarou ainda Eduardo Ferro Rodrigues.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passos Coelho: “Valeu bem a pena termo-nos esforçado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião