Já está: Portugal sai do PDE ao fim de 2.784 dias

  • Margarida Peixoto
  • 22 Maio 2017

A Comissão Europeia recomendou esta segunda-feira a saída de Portugal do braço corretivo do Procedimento por Défice Excessivo. O mérito é "do povo português", disse Valdis Dombrovskis.

Ao fim de 2.784 dias, Portugal saiu do Procedimento por Défices Excessivos. A decisão foi comunicada esta segunda-feira pela Comissão Europeia. O país deixa agora de ter as suas finanças públicas sob vigilância reforçada de Bruxelas, goza de alguma flexibilização das regras orçamentais e liberta-se da ameaça das sanções por não cortar o défice.

“Este é um dia importante para Portugal. Recomendamos a revogação do Procedimento por Défice Excessivo para Portugal e esperamos que os Estados-membros apoiem a nossa recomendação”, frisou Valdis Dombrovskis, vice-presidente da Comissão Europeia.

Quanto ao mérito da saída, o comissário atribuiu-o aos portugueses: “O feito de hoje deve-se, antes de mais, ao povo português.

Mas porque ainda não está tudo feito, Valdis Dombrovskis aproveitou para sublinhar a importância dos próximos passos, defendendo que é preciso reforçar o crescimento e torná-lo “sustentável (duradouro)”, ao mesmo tempo que o país deve “garantir que beneficia todos os membros da sociedade.” Por isso, notou, é “crucial que Portugal continue empenhado num ambicioso plano de reformas estruturais.”

Dombrovskis deixou mesmo as principais linhas orientadoras dos próximos passos que o Governo deve dar:

  1. Continuar no caminho das políticas orçamentais responsáveis e garantir uma despesa pública mais eficiente;
  2. Fazer face ao aumento dos custos dos sistemas de saúde e pensões;
  3. Um maior reforço do seu setor financeiro, que inclui dar resposta aos elevados níveis de crédito mal parados.
  4. Dar uma atenção contínua no que se refere à melhoria das políticas do mercado de trabalho, em especial o auxílio a quem procura emprego.

No final, rematou: “Convido as autoridades portuguesas a aproveitar este momento e agir agora com determinação para que Portugal desbloqueie o seu verdadeiro potencial e cresça no sentido de numa economia resiliente, dinâmica e inovadora.”

Como foram os sete anos, sete meses e 15 dias de PDE

O Procedimento por ter falhado o limite do défice orçamental de 3%, previsto nas regras comunitárias, tinha sido aberto a 7 de outubro de 2009, com o Partido Socialista de José Sócrates na liderança política do país. Sócrates já tinha cumprido uma primeira legislatura e tinha renovado um segundo mandato, nas eleições de 27 de setembro. Preparava-se para liderar um Governo que, sem maioria absoluta na Assembleia da República e perante a inevitabilidade de um pedido de resgate para evitar a bancarrota, duraria apenas dois anos.

Naquele ano de 2009, os países europeus já estavam a braços com a crise económica. Aliás, Portugal fez parte de um pacote total de dez países que foram colocados sob vigilância orçamental reforçada na mesma altura, com um calendário definido para corrigir o desequilíbrio financeiro das Administrações Públicas e a obrigatoriedade de prestar contas a Bruxelas.

José Sócrates previa, à data, que o défice atingisse 5,9%. Mais tarde, sucessivas revisões do Instituto Nacional de Estatística, em parte provocadas por alterações metodológicas mas não só, atirariam o número para 9,8%.

Uma série longa do INE mostra bem como défices acima dos dois dígitos foram escassos, mas também evidencia como há 40 anos a norma portuguesa são finanças públicas desequilibradas.

Fonte: INE

A troika e o “ponto de honra” de Passos

Dois anos depois de ter conduzido o país ao PDE, José Sócrates demitiu-se do Governo, perante a necessidade de pedir ajuda internacional para evitar que as Administrações Públicas entrassem em bancarrota. Nesta altura, já os funcionários públicos tinham sofrido os primeiros cortes salariais — mas este seria apenas o início de um caminho das pedras, atravessado por toda a sociedade portuguesa e sob liderança de Pedro Passos Coelho, o primeiro-ministro do Governo de coligação PSD/CDS-PP.

Obrigada a cumprir o programa de resgate da troika — Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu — a economia nacional afundou-se na recessão. Os cortes de rendimentos e direitos levaram a uma guerra — perdida — entre o Executivo e o Tribunal Constitucional. Mesmo assim, milhares de portugueses emigraram: entre 2013 e 2015, saíram cerca de 110 mil pessoas por ano de Portugal.

Em 2012 a economia bateu no fundo, com uma recessão de 4%. No ano seguinte, voltou a contrair 1% e a taxa de desemprego atingiu o pico de 16,2%. Mas daí em diante começou lentamente a recuperar. O défice orçamental, apesar de todos os cortes na despesa pública e aumentos de impostos, manteve-se persistentemente elevado. Para estes resultados contribuíram os resgates aos bancos.

Em 2015, no último ano da legislatura de direita, Pedro Passos Coelho elegeu a correção do défice e a saída do PDE como um “ponto de honra”. O resgate do Banif impediu-o de cumprir a promessa. E apesar de o défice ter ficado a escassas décimas dos 3%, com a intervenção no banco da Madeira voltou a superar o limite autorizado, atingindo 4,4%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já está: Portugal sai do PDE ao fim de 2.784 dias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião