Moedas: “Tudo aquilo que sofremos foi com uma razão”

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 22 Maio 2017

Para Carlos Moedas, está em causa "o fim de uma história", que começa em 2009, quando Portugal tinha um défice próximo de 10% do PIB.

O Comissário europeu Carlos Moedas entende que esta segunda-feira “é um dia muito importante para Portugal e para a Europa” e notou que foi com o programa de ajustamento que Portugal conseguiu “ganhar um primeiro passo de credibilidade”.

No dia em que a Comissão Europeia recomendou a saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo (PDE), o Comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação recordou o programa de ajustamento “muito difícil”, com “sacrifícios para os portugueses”, para depois acrescentar: “Não devemos esquecer que foi graças a ter conseguido ultrapassar esse programa de ajustamento que conseguimos ganhar um primeiro passo de credibilidade e depois conseguimos continuar a cumprir e hoje temos uma imagem totalmente diferente na Europa”.

Quer isto dizer que a “Europa olha para Portugal como um país robusto que cumpre”, disse, à margem da conferência “Crescimento da Economia Portuguesa — Mitos e Realidades”. “Tudo aquilo que sofremos foi com uma razão”, adiantou ainda.

As boas notícias também são para a Europa, que cresce há mais de 15 trimestres e tem conseguido “que os países resolvam as suas crises”, disse ainda Carlos Moedas. Em 2011, mais de 20 países estavam em PDE, hoje são apenas quatro, salientou.

Para Carlos Moedas, está em causa “o fim de uma história”, que começa em 2009, quando Portugal tinha um défice próximo de 10% do PIB. “Oito anos depois, mas no fundo demorámos quase uma década” a corrigir a situação. “E isso é que é importante ressalvar: é que muitas vezes estes erros que se fazem, erros de uma década, demoram uma década para corrigir, mas felizmente conseguimos“, notou.

Para o comissário, esta é “uma maratona” que vem desde o programa de ajustamento, “mas depois é para continuar a cumprir”, alertou. E nesse sentido, todos os governos, desde 2011, “trabalharam e muito” para este resultado. Mas Moedas quis dar os parabéns sobretudo às pessoas, “que sentiram as dificuldades no seu bolso”.

Bruxelas deixou alguns recados mas o comissário quis destacar dois pontos: “Ganhámos uma certa liberdade” e “credibilidade”, o que significa que “podemos tomar decisões no futuro que não tomávamos hoje” e “ter custos em termos de reformas que queremos efetuar” que não contam para o défice, disse. Por outro lado, “continuamos a ser um país muito endividado”, e é preciso reduzir a dívida, avisou. E este ponto “vai demora muito mais a resolver”, frisou.

O comissário também não antecipa problemas de maior com a Caixa Geral de Depósitos, acreditando que existe toda a informação necessária sobre a capitalização. “Esperamos não ter nenhum tipo de surpresa”, referiu. Mesmo que conte para o défice, “não haverá aqui nenhuma mudança porque o que interessa aqui é o longo prazo, ou seja, se conseguirmos manter a trajetória e se Portugal continua a cumprir, isso é o mais importante, afirmou o comissário.

Quando ao cenário político internacional, Moedas acredita que os resultados nas eleições em França e Holanda mostram que “o populismo” que começava “a invadir”, “parece não estar a chegar ao objetivo”, o que é importante para a “estabilidade da Europa”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moedas: “Tudo aquilo que sofremos foi com uma razão”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião