CE quer um presidente do Eurogrupo a tempo inteiro

  • ECO
  • 31 Maio 2017

A Comissão Europeia quer reformular alguns aspetos do Eurogrupo, nomeadamente a liderança. Sugere-se um presidente a tempo inteiro.

A Comissão Europeia quer rever o modelo de presidência do Eurogrupo. Uma integração económica mais profunda dos países da Zona Euro, que podem vir a ter um fundo monetário comum, parece justificar a necessidade de um presidente a tempo inteiro.

As reflexões da Comissão Europeia sobre o aprofundamento da União Económica e Monetária até 2025 foram reveladas esta quarta-feira. Quer-se uma visão unificada que deverá ser posta em prática após as eleições europeias em 2019.

Um novo balanço entre a Comissão e o Eurogrupo pode assim justificar “um presidente permanente e a tempo inteiro” para o Eurogrupo, ao contrário do que acontece de momento. Para já, o presidente é nomeado pelos países da zona euro a cada dois anos, acumulando geralmente com o cargo de Ministro das Finanças do respetivo país.

Dijsselbloem, que vai abdicar do cargo de ministro na Holanda, estava já com o pé fora da presidência do Eurogrupo — cenário que pode mudar com esta notícia. Mário Centeno está na fila, pelo que esta medida, a efetivar-se, pode também ter efeitos na política portuguesa.

Para além da reforma em termos das funções do presidente, a possibilidade de criação de um Fundo Monetário Europeu, comum aos países da Zona Euro, é também avançada. Para mais informações, pode consultar o comunicado e respetivos anexos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CE quer um presidente do Eurogrupo a tempo inteiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião