Dijsselboem despede-se do seu partido… e do Eurogrupo

  • ECO
  • 30 Maio 2017

O atual presidente do Eurogrupo incompatibilizou-se com o partido do qual é ministro das Finanças na Holanda. Terá por isso que abandonar também a presidência do Eurogrupo.

O presidente do Eurogrupo, Dijsselboem, está de saída do seu partido na Holanda… O que significa que também terá de abdicar da presidência do Eurogrupo. Mário Centeno aparece como um possível substituto.

O Partido Trabalhista holandês, de orientação liberal, está a negociar uma coligação com os partidos de direita. Dijsselboem discorda e portanto não tem dúvidas da direção que quer tomar: diretamente para fora do partido. As intenções foram reveladas em declarações ao jornal “Financieele Dagblad”, referido pelo Expresso. Esta decisão tem como consequência a necessidade de abdicar da liderança do Eurogrupo.

Dijsselboem ocupava a posição de Ministro das Finanças na Holanda, funções que são denominador comum na escolha dos presidentes do Eurogrupo. Este é um critério que Mário Centeno já preenche. O Ministro das Finanças português já terá sido sondado neste sentido. E afirmou que “não fecha a porta”.

Dijsselboem tornou-se polémico com as recentes declarações acerca dos países do sul da Europa, que acusou de grandes despesas com “copos e mulheres”. Ocupava o cargo desde que o atual presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, o abandonou para exercer as atuais funções.

As intenções de Dijsselboem são reveladas na véspera da divulgação de documentos importantes. Esta quarta-feira, 31 de maio, é publicado um “documento de reflexão” com notas sobre o orçamento comum dos países da moeda única e sobre a possível mutualização da dívida pública de cada Estado-membro.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dijsselboem despede-se do seu partido… e do Eurogrupo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião