António Mota: “O maior problema da Mota-Engil é o sistema financeiro”

O líder da maior construtora nacional não tem dúvidas. O maior problema do setor é a falta de obras, mas o maior problema da Mota-Engil é o sistema financeiro.

“O setor da construção não existe, o anterior Governo acabou com ele”. A frase é de António Mota, presidente da Mota-Engil, a maior empresa do setor da construção em Portugal.

Para o presidente da empresa, “é preciso começar tudo de novo”.

António Mota diz que há falta de obras e de investimento público. A empresa, cujos lucros em 2016 totalizaram 50 milhões de euros, impactados pela venda de ativos, tem hoje mais de 80% da sua atividade concentrada fora de Portugal.

O presidente da construtora diz mesmo que “a Mota-Engil está a andar mas com dificuldades em arranjar financiamento para países estrangeiros”. “O sistema financeiro é o problema, sem um sistema financeiro forte não há apoios”, sublinha.

Aliás, António Mota diz que o “maior problema da Mota-Engil é o sistema financeiro, já o maior problema para o setor é a falta de investimentos públicos”.

Em conversa com o ECO, António Mota salienta ainda a necessidade da revisão do rating da República.

A revisão do rating é fundamental para as empresas nacionais.

António Mota

Mota-Engil

E sobre esta questão, dá o exemplo dos bancos internacionais que recusam as garantias emitidas pela banca portuguesa. “Isso obriga a que haja necessidade de uma triangulação, ou seja, a procurar um banco estrangeiro de outro país que aceite as garantias da banca nacional e que, depois, essas sejam aceites pelo banco do país que se pretende. Isto, como se percebe, aumenta os custos e diminui a competitividade”.

As queixas de António Mota com o sistema financeiro não são de agora. No relatório de contas da empresa, o presidente da construtora adiantou que, “resolvida que esteja a restruturação do setor financeiro português — que permita apoiar as empresas portuguesas na sua expansão internacional –, julgo que a maioria dos fatores negativos com que nos vimos confrontados estarão ultrapassados”.

"Penso que, no final de 2017/2018, a situação pode começar a melhorar”

António Mota

Presidente da Mota-Engil

Ainda assim, Mota mostrou-se confiante. “Penso que no final de 2017/2018 a situação pode começar a melhorar”. E elenca as obras que, do seu ponto de vista, poderão ter luz verde.

“A questão do caminho-de-ferro tem de avançar, o aeroporto de Lisboa também, o mesmo acontece com o Metro de Lisboa e, eventualmente, com o Metro do Porto. E tudo isto ajuda a melhorar o setor. Mas só em 2018 é que haverá alguma coisa, porque em 2017 só avançam os concursos.”

Pedro Gonçalves: “Mercado interno não reanima”

O presidente executivo do fundo Vallis, dono do conglomerado Elevo, diz que o setor da construção “é hoje profundamente diferente do que era há dez ou mesmo há cinco anos”.

Para Pedro Gonçalves, “ o investimento público não se vê. O se vê é que existem subsegmentos com clara evolução, como tudo o que está ligado ao desenvolvimento do imobiliário”.

"Há uma grande reconfiguração do setor: as empresas de maior dimensão e as bem sucedidas internacionalmente singram. As restantes passaram por fases muito complexas e surgem novas mas de menor dimensão.”

Pedro Gonçalves

Fundo Vallis

Sobre o setor financeiro, Pedro Gonçalves diz perceber as cautelas. “O setor passou a ter uma tomada de risco mais adequada e provavelmente mais seletiva. E teve também ele de se ajustar, o que não quer dizer forçosamente que não haja apoios”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Mota: “O maior problema da Mota-Engil é o sistema financeiro”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião