Costa defende mecanismos financeiros para capitalizar empresas de mão-de-obra intensiva

  • Lusa
  • 2 Junho 2017

Esta foi a resposta deixada à empresa de confeções Dielmar, que se queixou de não poder recorrer a incentivos por ser de mão-de-obra intensiva e ter mais de 250 trabalhadores,

O primeiro-ministro revelou esta sexta-feira que o Governo vai criar uma medida para as empresas de mão-de-obra intensiva de forma a diferenciá-las das PME e permitir-lhes acesso a mecanismos financeiros para agilizar a sua reestruturação e capitalização.

“Há um conjunto de medidas legislativas cuja primeira parte está em vigor com o Orçamento do Estado (OE). A segunda parte tem a ver com duas dimensões: Agilização dos processos de reestruturação e recuperação e mecanismos alternativos ao sistema bancário para que as empresas se possam capitalizar”, afirmou António Costa.

O governante falava no final de uma visita que fez à empresa de confeções Dielmar, com sede em Alcains, no concelho de Castelo Branco.

António Costa respondeu desta forma à diretora-geral da empresa, Ana Paula Rafael, que momentos antes se queixava de não poder recorrer a incentivos devido à empresa ser de mão-de-obra intensiva e de ter mais de 250 trabalhadores, facto pelo qual não teve qualquer apoio e teve constrangimentos para ultrapassar a crise.

O primeiro-ministro sublinhou a necessidade de permitir que, por via de sociedades financeiras, as empresas de base familiar tenham acesso a mecanismo financeiro em alternativa à banca.

“A prioridade é criar mais emprego. E não faz sentido penalizar empresas de mão-de-obra intensiva. Quanto mais crescerem, mais emprego geram (…) e mais emprego cria crescimento. Este é um esforço que temos que continuar a fazer”, sustentou.

A diretora-geral da Dielmar sublinhou que estar no interior não é fácil e adiantou que as dificuldades são maiores para quem aqui trabalha.

“O setor financeiro também não facilita. Temos alguns constrangimentos para ultrapassar a crise mais rapidamente. No interior temos custos acrescidos e o ambiente financeiro ainda não é o desejável”, disse.

Apelou ainda ao primeiro-ministro para que possa colocar ao serviço da indústria mecanismos para que as empresas que não sejam PME (Pequenas e Médias Empresas) e ultrapassam os 250 trabalhadores possam ser ajudadas.

“Deixamos aqui um apelo. Precisamos que haja alguma atenção e o empurrão quando temos problemas. Até agora temos sido só nós”, frisou.

A Dielmar, fundada em 1965, está atualmente presente em mais de 20 mercados mundiais, sendo que 65% das vendas totais são oriundas das exportações.

Com mais de 400 trabalhadores, a empresa espera até 2018 atingir os 70% nas exportações.

Só em custos de deslocações pelo facto de estar no interior do país, anualmente a empresa gasta 100 mil euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa defende mecanismos financeiros para capitalizar empresas de mão-de-obra intensiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião