Investigação passa fatura. EDP perde 500 milhões em bolsa

A EDP está a ser castigada pelas suspeitas de corrupção. As ações da elétrica liderada por António Mexia têm vindo a perder valor, registando uma desvalorização de mais de 500 milhões de euros.

A Energias de Portugal (EDP), bem como a EDP Renováveis e a REN, foram alvo de buscas. Em causa estão suspeitas em torno dos Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual, mais conhecidos por CMEC, que levaram António Mexia e Manso Neto a serem constituídos arguidos. Suspeitas que ainda são apenas isso, mas que estão já a passar fatura em bolsa. A elétrica está a perder valor.

Os títulos da EDP, que já tinham terminado a semana com uma queda superior a 1%, acentuaram a tendência negativa, registando uma descida de quase 4,5% que está a condicionar o comportamento da bolsa nacional: o PSI-20 está a perder 1%. É uma queda que se traduz num saldo negativo de 533,8 milhões de euros. Só nesta sessão o valor de mercado encolhe 373 milhões para 11.474 milhões, ainda assim a empresa mais valiosa do PSI-20.

Valor de mercado da EDP em queda

Fonte: Bloomberg

Esta queda traduz os receios dos investidores devido à investigação. Não só pelo impacto em termos reputacionais, como em termos de gestão, já que naturalmente poderá haver uma perda de foco da administração da empresa. Mas também, diz o Haitong, resulta dos receios em torno de eventuais custos associados à investigação aos CMEC.

A “questão-chave para os investidores” é se a EDP será forçada a dar algum tipo de compensação pelos ganhos excessivos com os CMEC no passado ou irão sentir algum impacto no fecho do valor dos CMEC, que ainda está a ser finalizado? São questões levantadas pelo Haitong que ajudam a explicar o comportamento negativo registado pela EDP.

“Em relação à devolução de ganhos passados, consideramos que é improvável já que para que isso aconteça terá de se provar que o aumento dos preços não estava correto (na altura da decisão quanto ao valor, os preços da energia estavam a aumentar) ou que o valor da extensão das concessões hidroelétricas foi feito a um valor injustificadamente baixo para a EDP”, diz o Haitong, salientando que “não será fácil provar-se isso”.

“Onde vemos alguns riscos de curto prazo é na definição do valor final dos CMEC já que a posição negocial da EDP será, agora, mais fraca tendo em conta a probabilidade de uma posição mais dura por parte das entidades envolvidas”, ou seja, a ERSE e o Governo, conclui o analista Jorge Guimarães.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investigação passa fatura. EDP perde 500 milhões em bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião