Ronaldo, o desportista mais bem pago… outra vez

  • Lusa
  • 8 Junho 2017

Futebolista português é, pelo segundo ano consecutivo, o desportista com mais rendimentos, tendo encaixado em 2017 um total de 82,6 milhões de euros, diz a Forbes.

O futebolista português Cristiano Ronaldo é, pelo segundo ano consecutivo, o desportista com mais rendimentos, tendo encaixado em 2017 um total de 82,6 milhões de euros.

Segundo o estudo anual da revista norte-americana Forbes, Ronaldo recebeu 58 milhões de euros em salários, mais 35 milhões em contratos publicitários.

Segue-se ao capitão da seleção portuguesa, e avançado do Real Madrid, LeBron James, dos Cleveland Cavaliers, da Liga Norte-americana de Basquetebol (NBA), com 76,5 milhões de euros, enquanto o avançado argentino do FC Barcelona Lionel Messi arrecadou 71 milhões em 2017.

O tenista suíço Roger Federer, antigo líder do ‘ranking’ mundial, arrecadou quase 57 milhões de euros, seguido de outro basquetebolista da NBA, Kevin Durant, dos Golden State Warriors, com 54 milhões de euros.

O ‘top 5’ desta ‘lista milionária’ é ocupado pelos mesmos atletas que figuraram nos cinco primeiros lugares da ‘contabilidade’ de 2016, com apenas uma alteração no ordenamento dos jogadores: LeBron James ‘destronou’ Messi do segundo lugar.

Na lista dos 100 atletas com mais ganhos em 2017 figura apenas uma mulher, a tenista norte-americana Serena Williams, no 51º lugar, com ‘receitas’ de 24 milhões de euros.

Segundo o estudo da Forbes, os 100 atletas com mais rendimentos em 2017 somam, em salários e contratos publicitários, 2.761 milhões de euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ronaldo, o desportista mais bem pago… outra vez

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião