Passos acusa Costa de “logro total” na solução para o crédito malparado

  • Lusa
  • 11 Junho 2017

O líder do PSD salienta que o primeiro-ministro já disse várias vezes que tem uma solução praticamente ultimada, mas “tem-se recusado a responder no parlamento às perguntas que lhe são feitas".

O presidente do PSD disse hoje, em Santarém, que o Governo “anda a enganar o país há mais de um ano” sobre a solução para o crédito malparado e acusou o Primeiro-Ministro de “logro total” nessa matéria.

Pedro Passos Coelho, que hoje visitou a Feira Nacional da Agricultura, em Santarém, acusou António Costa de saber que “não tinha nada de novo para dizer ao país”, mas ter criado, durante quase um ano e três meses, “a ideia de que estava à beira, à bica, de ter uma solução para um problema gravíssimo, que afinal não tem, nem nunca teve, nem vai ter”.

O líder social-democrata afirmou que o Primeiro-Ministro “anunciou várias vezes” que tem praticamente ultimada uma solução sobre o crédito malparado, preparada em conjunto com o Banco de Portugal (BdP) e a ser negociada em termos europeus, mas “tem-se recusado a responder no parlamento às perguntas que lhe são feitas sobre essa matéria”, nomeadamente sobre “que solução é, de que é que depende, se tem garantias do Estado ou não, como é que ela se vai executar”.

“O Primeiro-Ministro nunca responde, tem de resto um desprezo imenso pelo parlamento, nunca responde a estas matérias e depois vamos lendo pelos jornais e vamos sabendo por outras pessoas”, disse, referindo declarações de Elisa Ferreira, administradora do BdP. Há dias, o ECO revelou os contornos da solução que está a ser discutida com os três bancos com maior volume de malparado, a CGD, o BCP e o Novo Banco.

“[Elisa Ferreira] veio dizer que afinal não havia solução nenhuma e que se calhar o que viria a acontecer é que haveria uma espécie de autossolução privada, que os bancos podiam explorar se quisessem de forma voluntária, mantendo o crédito malparado dentro dos seus balanços”, afirmou, sublinhando que não há aqui “grande novidade, porque são basicamente as opções que os bancos têm vindo a realizar nos últimos anos por sua própria iniciativa”.

“O que concluo é que há um logro total que foi conduzido pelo Primeiro-Ministro nesta matéria”, declarou.

Elisa Ferreira disse, no final de maio, numa entrevista à RTP, que não há condições atualmente para criar um veículo que permita resolver o problema do crédito malparado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passos acusa Costa de “logro total” na solução para o crédito malparado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião