TAP cai no ranking das melhores companhias aéreas

  • Lusa
  • 12 Junho 2017

A TAP e a SATA estão entre as 87 melhores companhias aéreas, mas na segunda metade do ranking. O Aeroporto de Lisboa também entra, sendo um dos piores em 76 a nível internacional.

A TAP e a SATA surgem na 51.ª e 75.ª posições, respetivamente, num ranking das 87 melhores companhias aéreas hoje divulgado, enquanto o Aeroporto de Lisboa, no 57.º lugar, é o único português entre 76 aeroportos.

A empresa especializada na defesa dos passageiros aéreos AirHelp refere que a TAP, apesar de ter descido na tabela face ao último ranking divulgado (no verão de 2016), melhorou a pontuação final de sete para 7,2 pontos.

“A TAP subiu no parâmetro da pontualidade (passou de 6,4 para 7,8), manteve a avaliação em termos de qualidade e serviço (6), mas desceu no tratamento de reclamações (passou de 8,5 para 7,9)”, conclui o estudo AirHelp Score, que desde 2015 avalia a qualidade e serviço, pontualidade, tratamento de reclamações e análise de redes sociais das várias companhias aéreas a nível mundial.

Já a SATA, na 75.ª posição, melhorou a pontualidade (passou de 7,2 para 7,8) e manteve a qualidade e serviço (6), mas desceu em termos de classificação e de pontuação final, tendo passado de 6,6 para 5,7 pontos, sobretudo penalizada no parâmetro relativo ao tratamento de reclamações”, que caiu de 6,6 para 3,3.

No ranking dos aeroportos, divulgado pela primeira vez nesta edição do AirHelp Score, o Aeroporto General Humberto Delgado, em Lisboa, surge como o único português da lista, ocupando a 57.ª posição, entre 76.

"O Aeroporto de Lisboa apresenta uma percentagem alta de atrasos, mas tenta manter-se fiel ao seu calendário apertado, sendo avaliado com 7,4 em pontualidade.”

Bernardo Pinto

Country Manager da AirHelp

Analisando os resultados obtidos pelo Aeroporto de Lisboa, verifica-se que a pontualidade é o parâmetro com a pontuação mais elevada (7,4), seguindo-se a análise de redes sociais (6,5) e a qualidade e serviço (6).

Citado no comunicado, o country manager da AirHelp em Portugal e no Brasil, Bernardo Pinto, destaca o serviço prestado ao cliente pela TAP – que, “com uma pontuação de 7,9, pode ser considerado bom” – e nota que, devido ao intenso tráfego, “o Aeroporto de Lisboa apresenta uma percentagem alta de atrasos, mas tenta manter-se fiel ao seu calendário apertado, sendo avaliado com 7,4 em pontualidade”.

“No ano passado, somente 0,40% de todos os voos com partida deste aeroporto foram cancelados ou tiveram atrasos de mais de três horas”, refere.

A liderar o ranking das companhias aéreas surge a Singapore Airlines, enquanto o Aeroporto Changi, também de Singapura, encabeça o AirHelp Score na categoria de aeroportos.

Segundo destacam os autores do estudo, a companhia asiática destronou a Qatar Airways, que foi primeira em 2016, tendo melhorado “significativamente na pontualidade e no tratamento de reclamações” e atingido, pela primeira vez, o topo da classificação.

No top 5 do ranking de companhias de aviação surgem ainda a Etihad Airways (Emirados Árabes Unidos), a Qatar Airways, a Austrian Airlines (Áustria) e a Air Transat (Canadá).

Pela primeira vez, nesta edição do AirHelp Score foram também avaliados 76 aeroportos de todo o mundo, durante um período de três meses, tendo em conta a qualidade e o serviço, a pontualidade e mais de 130.000 tweets “para a análise de sentimento”.

No topo da tabela, depois do Aeroporto Changi de Singapura, surgem o Aeroporto Internacional de Munique, o Aeroporto Internacional de Hong Kong, o Aeroporto de Copenhaga – Kastrup e o Aeroporto de Helsínquia – Vantaa.

“À medida que o mercado se torna mais saturado os vencedores na corrida das viagens aéreas serão as companhias que cumprirem as suas promessas em terra, na cabine e após o voo. Os passageiros são mais exigentes na procura de serviços de qualidade e elogiamos a Singapore Airlines e o Aeroporto Changi por estabelecerem os padrões desta indústria de colocar o cliente em primeiro lugar”, refere um dos fundadores e presidente do conselho de administração da AirHelp, Henrik Zillmer.

Para avaliar as companhias aéreas e os aeroportos a AirHelp examinou dados de 22 de dezembro de 2016 a 20 de março de 2017, tendo sido contabilizados voos atrasados e cancelados, rankings da Skytrax, análise de redes e análise de tratamento de reclamações.

A AirHelp é uma startup que está presente em Portugal desde 2013 e reclama a liderança mundial na defesa dos passageiros afetados por atrasos, cancelamentos ou impedimentos de embarque.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TAP cai no ranking das melhores companhias aéreas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião