Wall Street no vermelho. Tecnológicas em forte queda

  • ECO
  • 12 Junho 2017

Os títulos do setor tecnológico continuam a pesar no desempenho dos mercados. Títulos como a Apple e a Netflix deslizam mais de 3,5%.

As bolsas norte-americanas começaram a semana no vermelho. As empresas do setor tecnológico estão a pressionar os mercados de capitais, mantendo-se a forte pressão vendedora que começou no final da última semana.

O Nasdaq, o índice das empresas tecnológicas, arrancou a sessão a perder 0,88% para 6.153,55 pontos, enquanto o Dow Jones recuava 0,06%, para 21.259,95 pontos. O principal mercado norte-americano, o S&P 500, também abriu a desvalorizar. Caía 0,24% para 2.425,88 pontos.

São as tecnológicas que estão a marcar a sessão. As empresas do setor registam quedas acentuadas, com títulos como a Apple ou a Netflix a apresentarem desvalorizações de 3,5%. “É possível que as tecnológicas norte-americanas que alimentaram aos recordes possam agora matar a tendência”, diz Mitsuo Shimizu, gestor do Japan Asia Securities, citado pela Bloomberg.

Os investidores estão também a aguardar pela reunião de política monetárias da Reserva Federal norte-americana que poderá ditar um novo aumento da taxa de referência dos EUA. E continuam de olhos postos nas polémicas que envolvem Donald Trump e que, temem os investidores, o afastam do foco de implementar medidas para puxar pela economia.

Durante o fim de semana, o presidente norte-americano disse estar disponível para depor sob juramento sobre as suas conversas com o antigo diretor do FBI, James Comey, que despediu. Também o Procurador Geral Jeff Sessions testemunha na terça-feira, para responder sobre um alegado envolvimento da Rússia nas eleições presidenciais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street no vermelho. Tecnológicas em forte queda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião