Ganha entre 1.705 e 3.094 euros? Este é o último salário com sobretaxa

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 23 Junho 2017

Retenção na fonte da sobretaxa de IRS vai terminar para mais contribuintes. Últimos dois escalões de IRS continuam a pagar sobretaxa até novembro. Veja as simulações da EY.

A partir do próximo mês, os contribuintes abrangidos pelo terceiro escalão de rendimentos do IRS deixam de pagar sobretaxa. A retenção na fonte vai desaparecer, o que significa que o rendimento disponível vai aumentar.

O Orçamento do Estado para 2017 já dizia que “ao 3.º escalão são aplicáveis retenções na fonte aos rendimentos auferidos até 30 de junho de 2017” e um despacho publicado em janeiro vem depois concretizar. Em causa estão rendimentos mensais brutos de trabalho dependente e pensões (excluindo pensões de alimentos) superiores a 1.705 e inferiores a 3.094 euros, no caso de contribuintes solteiros ou casados (dois titulares). Já no caso de contribuintes casados em que só um dos cônjuges tem rendimentos, estão abrangidas remunerações entre 2.925 e 6.361 euros.

Estas pessoas estão sujeitas a uma sobretaxa de 1,75%, que deixa de ser retida a partir de julho. Em termos anuais, está em causa uma taxa de 0,88%, tendo neste caso por referência rendimentos coletáveis (o que retira deduções e abatimentos ao rendimento bruto) entre 20.261 e 40.522 euros — serão mais de 360 mil agregados. Poderão assim existir acertos em 2018, quando os contribuintes entregarem a declaração de rendimentos de 2017.

Caindo a retenção na fonte da sobretaxa, os trabalhadores e pensionistas podem contar com mais rendimento disponível. A sobretaxa aplica-se ao valor do rendimento bruto, depois de deduzida a retenção na fonte, os descontos para a Segurança Social e o valor do salário mínimo nacional (557 euros).

Como mostram as simulações da EY, um contribuinte solteiro e sem filhos, com um salário bruto de 2.000 euros, por exemplo, vai passar a contar com mais 13 euros na remuneração líquida. Já um contribuinte casado (dois titulares), com dois filhos e um salário bruto de 3.000 euros recupera agora 22 euros. Os cálculos têm por base trabalhadores do setor privado e meses em que é pago apenas o salário base, excluindo outros subsídios.

No caso de um contribuinte casado em que apenas um dos cônjuges tem rendimentos (1 titular), a retenção da sobretaxa cai em remunerações mais elevadas (entre 2.925 e 6.361 euros). Uma pessoa que receba 3.000 euros brutos e tenha um dependente, por exemplo, deixa de pagar 25 euros de sobretaxa.

Quem está no quarto e quinto escalões de rendimentos continuará a fazer retenção da sobretaxa até ao final de novembro. Rendimentos entre 3.094 e 5.862 euros (no caso de contribuintes solteiros ou casados, dois titulares) retêm 3% e, acima deste valor, a sobretaxa é de 3,5%.

O Governo chegou a prever, em lei, que a sobretaxa seria eliminada em janeiro de 2017, mas optou depois pela retirada gradual. O segundo escalão foi logo beneficiado, já que deixou de estar sujeito a sobretaxa no início do ano. Nos restantes casos, a taxa anual foi reduzida e a retirada da retenção na fonte faseada.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ganha entre 1.705 e 3.094 euros? Este é o último salário com sobretaxa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião