Impresa avança mais de 10% com possível negócio Altice/Media Capital

O grupo Impresa disparou 10,55% na bolsa de Lisboa esta segunda-feira, com o anúncio do interesse da Altice na compra da Media Capital. Dona da TVI também valoriza. Tal como a Cofina.

As ações do grupo Impresa IPR 0,00% avançaram 10,55% para 44 cêntimos na sessão desta segunda-feira, uma escalada à boleia da confirmação oficial do interesse da Altice na compra da Media Capital. O comunicado foi enviado aos mercados a pedido do regulador e foi publicado ao início da madrugada de segunda-feira, confirmando os rumores que já apontavam nesse sentido. Só esta segunda-feira foram transacionados quase dois milhões de títulos da Impresa, acima da média de 471,5 mil unidades negociadas por sessão nos últimos doze meses.

O grupo Impresa detém a SIC e é concorrente direta da TVI, detida pelo grupo que a Altice, dona da Meo, quer comprar. Por que valorizaram então as ações da Impresa? Como o ECO já aqui explicou, uma compra desta natureza poderá ser disruptiva para os setores das telecomunicações e media em Portugal. É por este motivo que os acionistas do grupo Media Capital não são os únicos beneficiários diretos da chamada “guerra das televisões”.

A Media Capital MCP 0,00% , por sua vez, fechou a subir 3,67% para 3,11 euros, com quase 3.000 títulos transacionados, praticamente duplicando a liquidez média das ações da empresa ao longo dos últimos meses.

Mas há ainda uma terceira beneficiária na bolsa com esta notícia: é do mesmo setor e é a Cofina CFN 0,00% , dona de várias publicações, mas também da CMTV. Com mais de 137.000 títulos transacionados, os títulos do grupo do Correio da Manhã avançavam 1,27% para 40 cêntimos à hora de fecho.

A Altice detém a operadora Meo em Portugal, através da PT Portugal. Concorre diretamente com a Nos, de Miguel Almeida, que é cotada no PSI-20, o principal índice nacional. Também esta registava ganhos na bolsa, mas menos expressivos: os títulos da Nos NOS 0,00% subiam 0,67% para 5,54 euros. Nota para o desempenho positivo ao longo das últimas sessões, já que a empresa não vê perdas há sete sessões consecutivas.

O mercado está assim a reagir à possibilidade de a Nos avançar para uma tentativa de compra da dona da SIC caso a concorrente Meo seja bem-sucedida na aquisição da Media Capital aos espanhóis da Prisa. Aqui, as opiniões dividem-se, com o BPI a antecipar uma disrupção no setor, e o Haitong a indicar que a Altice enfrentará barreiras ao nível do regulador da concorrência neste negócio.

Cotação das ações da Impresa na bolsa de Lisboa

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Impresa avança mais de 10% com possível negócio Altice/Media Capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião