Altice vai “forçar” mercado a reagir. Impresa pode ser alvo

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 26 Junho 2017

A Altice já confirmou que está em negociações para comprar a Media Capital. O BPI diz que o negócio pode vir a forçar os restantes players a reagir, sendo a dona da SIC um dos alvos primordiais.

Se a Altice comprar a Media Capital, vai forçar os restantes players a reagir. A Nos será forçada a reforçar o seu investimento nos conteúdos e a Impresa pode vir a ser alvo, defende o BPI.

No domingo, a Altice, de Patrick Drahi, confirmou em comunicado ao mercado que está em negociações para comprar o grupo Media Capital, detentor do canal de televisão TVI entre outros meios. Não é propriamente uma “surpresa”, uma vez que a ideia já tinha surgido na imprensa nos últimos dias e tendo ainda em conta o cancelamento da venda da Santillana, diz o BPI.

Se a aquisição se confirmar, “provavelmente será disruptiva para o mercado” já que a Altice deverá tentar “constituir vantagens competitivas” nos conteúdos e “forçará” outras operadoras “a reagir”. “Em consequência, acreditamos que neste cenário a Nos seria forçada a reforçar o seu investimento em conteúdos e não excluímos a possibilidade de a Impresa ser um alvo“, acrescenta.

O BPI não acredita que a aquisição de empresas de conteúdos traga valor acrescentado ao setor, dando o exemplo dos conteúdos relacionados com futebol. E vai mais longe ao mostrar-se “cético” quanto ao “valor estratégico” destes ativos para as operadoras de telecomunicações.

Resumindo, o BPI acredita que estas notícias alimentam especulação sobre os alvos e provavelmente apoiarão o preço das ações da emissora (Impresa), mas deverão ter peso sobre a Nos. A Impresa está a valorizar 4,02% para 41,4 cêntimos, tendo chegado a ganhar um máximo de 6,53% para um novo máximo de 15 meses. Já soma 120% em 2017.

De acordo com a nota de research, a Media Capital deverá valer entre 305 e 555 milhões de euros, próximo do valor que tem sido mencionado na imprensa (entre 300 e 500 milhões de euros). A Altice confirmou que está interessada na compra da dona da TVI, não referindo quaisquer valores.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice vai “forçar” mercado a reagir. Impresa pode ser alvo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião