Morgan Stanley ajuda Prisa a vender Media Capital por 450 milhões

Grupo Prisa contratou o banco americano Morgan Stanley para encontrar um comprador para a Media Capital, dona da TVI. Franceses da Altice e a Sonae estão à espreita. Negócio avaliado em 450 milhões.

O grupo espanhol Prisa contratou o banco Morgan Stanley para ajudar a vender a totalidade da Media Capital, num negócio através do qual pretende arrecadar 450 milhões de euros. Mas se a Bloomberg avançou esta semana que a Altice, dona da Meo, está na corrida pela dona da TVI, há outro candidato de peso: a Sonae.

Juan Luís Cebrián, presidente do grupo, está a ser pressionado pelos acionistas e sobretudo pelo vencimento de uma dívida no próximo ano no valor de 958 milhões de euros. A venda da Media Capital serviria para pagar parte deste endividamento.

A notícia foi avançada pelo El Confidencial, citando fontes próximas dos acionistas. De acordo com aquele jornal espanhol, a parte positiva da Media Capital e que pode atrair interessados é o negócio da televisão. A TVI mantém uma posição de liderança no sinal aberto. A Media Capital detém ainda as rádios Rádio Comercial, Cidade FM e M80.

Em 2016, a Media Capital faturou 174 milhões de euros, tendo alcançado um lucro de 19,1 milhões de euros.

Um dos fortes candidatos à compra da Media Capital é a Altice, dona da PT Portugal e Meo. A Bloomberg adiantou esta semana que o grupo francês está a ponderar avançar com uma oferta sobre a dona da TVI no sentido de reforçar o seu portefólio de conteúdos televisivos.

Mas há mais candidatos. E o El Confidencial dá conta do interesse da Sonae, o conglomerado português liderado pela família Azevedo. A Sonae tem interesses em várias áreas, sobretudo no grande retalho. É dona da cadeia de hipermercados Continente, Worten e Zippy. Na área das telecomunicações, a Sonae é um dos principais acionistas da Nos.

Os analistas falam em guerra à vista no mercado dos media em Portugal entre a Nos e a Altice, tendo apontado a Impresa, dona da SIC, como um dos alvos da operadora liderada por Miguel Almeida.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Morgan Stanley ajuda Prisa a vender Media Capital por 450 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião