SIC responde a Angola e fala em “liberdade de informação”

Isabel dos Santos acusou a SIC de “ganância comercial” e a estação portuguesa já respondeu. Mas garante que não entra em “tertúlias nas redes sociais”.

“A SIC preocupa-se essencialmente com a liberdade de informação e com a prestação de serviços de qualidade aos seus clientes”. É a resposta de fonte oficial da SIC ao ECO na sequência das polémicas declarações de Isabel dos Santos, dona da operadora Zap, que retirou o canal português da sua grelha.

Ao início da manhã em Portugal, Isabel dos Santos, filha do Presidente angolano, atacou publicamente Pinto Balsemão (sem definir se se referia ao fundador do grupo ou ao filho que agora o gere) através da rede social Twitter.

A “inconfessável ganância comercial” que aponta deve-se, segundo o tweet, ao preço exigido pela SIC, que compara ao de canais internacionais como a BBC e a Aljazeera. O preço exigido pela SIC ascende a um milhão por ano, enquanto a BBC e Aljazeera pedem 33 mil euros e 66 mil euros, respetivamente, pelo mesmo período de emissão.

A publicação está disponível em três línguas: português, inglês e francês. No tweet em francês, há uma informação extra: Isabel dos Santos afirma que “a razão [para o corte dos canais] é comercial e não política”.

Ao ECO, a mesma fonte da SIC acrescentou que a estação “não vai deixar-se enredar em ‘tertúlias’ nas redes sociais.”

O serviço de transmissão angolano, a Dstv, cortou no início desta semana a emissão da SIC Notícias e da SIC Internacional Angola, isto já depois de ter sido cancelada a emissão através da Zap, operadora de Isabel dos Santos. O grupo Impresa manifestou-se, na altura, também através das redes sociais, referindo que a SIC estava “totalmente alheia” da decisão de cessar a transmissão destes dois canais.

Isabel dos Santos detém 70% do capital da operadora Zap, através da Sociedade de Investimentos e Participações. Os restantes 30% são propriedade da portuguesa Nos, que se abstém de declarações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SIC responde a Angola e fala em “liberdade de informação”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião