Impresa e Media Capital, mais prejuízos, mais lucros

  • ECO
  • 27 Abril 2017

As companhias que controlam a SIC e a TVI registaram quedas de receitas e apertaram nos custos. A Impresa está no vermelho, enquanto a Media Capital apresenta lucros de 1,9 milhões.

A Impresa registou um prejuízo de 2,8 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, enquanto a Media Capital apresentou um lucro de 1,9 milhões. As contas das duas companhias de media têm, ainda assim, um perfil semelhante de janeiro a março deste ano: as receitas caíram e os custos também, embora em níveis diferentes.

A dona da TVI apresentou um EBITDA superior a cinco milhões de euros, enquanto a companhia que detém a SIC registou um resultado antes de juros, impostos, amortizações e depreciações (EBITDA) negativo, da ordem dos 650 mil euros.

As contas dos dois grupos de media que controlam as duas televisões privadas em sinal aberto — e uma com uma posição relevante na imprensa, enquanto a outra tem uma força na produção audiovisual e na rádio — confirmam que o primeiro trimestre foi de pressão do lado das receitas, a refletir o estado do mercado publicitário, e isso levou também a um esforço de redução dos custos.

No caso da Impresa, as receitas totais caíram 5,5%, para 45,2 milhões de euros. E, por segmento, a televisão perdeu 6,1%, enquanto a área de publishing 5,4%. De qualquer forma, como nota a empresa no comunicado ao mercado, a queda de receitas da televisão resultou mais das perdas em subscrição, enquanto a publicidade subiu 2%. Na imprensa, por outro lado, as receitas de publicidade caíram 4,1%. Já a Media Capital apresentou um volume de receitas de 35 milhões de euros (uma queda de 10%), com particular destaque para a televisão, que perdeu 12% nestes primeiros três meses.

A diferença, claro, está do lado dos custos. A Impresa, liderada por Francisco Balsemão, apertou os custos em ‘apenas’ 3,7%, para 45,9 milhões de euros, enquanto a companhia liderada por Rosa Cullel cortou os custos nestes primeiros três meses do ano em 10%, para 30 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Impresa e Media Capital, mais prejuízos, mais lucros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião