Fatura da Sorte dá mais 185 mil em dívida pública

  • Ana Batalha Oliveira
  • 29 Junho 2017

Há jackpot no Euromilhões, mas antes há um sorteio extraordinário da Fatura da Sorte. São 185 mil euros em certificados que vão elevar o total de prémios em dívida pública para quase três milhões.

A Fatura da Sorte vai andar à roda mais uma vez, mas desta vez o sorteio é extraordinário. Não são os 100 milhões do jackpot do Euromilhões, mas sim um total de 185 mil euros em Certificados do Tesouro Poupança Mais (CTPM) para premiar contribuintes que ao solicitarem faturas com número de contribuinte ajudam no combate à evasão fiscal. O total gasto pelo Estado para captar mais impostos só com os certificados vai aproximar-se da fasquia dos três milhões de euros.

O 68.º concurso da Fatura da Sorte, que se realiza esta quinta-feira, que será transmitido pela RTP1 por volta das 18h50, contará com um prémio ordinário no valor de 35 mil euros, mas as atenções dos contribuintes vão centrar-se nos três prémios especiais atribuídos em dois sorteios realizados em cada ano. São 50 mil euros em CTPM, cada um, sendo que se vive em Lisboa, tem, estatisticamente, maior probabilidade de ser um dos contemplados com títulos de dívida pública.

Em 2017, à semelhança do ano passado, a sorte concentrou-se no Distrito de Lisboa. Dos 25 concursos regulares realizados até 22 de junho, dez premiaram residentes da capital: saíram quatro prémios no concelho de Lisboa, dois em Loures e um em Sintra, Cascais, Arruda dos Vinhos e Odivelas. No centro, a maioria dos sortudos estão em Coimbra e Mira (três), mas Torres Vedras e Santa Cruz também conseguiram arrecadar uma vez os 35.000 euros. No norte, os certificados distribuíram-se pelo Porto, Vila Nova de Gaia, Gondomar e Vila Verde. Mais isolados dos restantes estão os vencedores de Loulé e Angra do Heroísmo.

De quatro rodas até à dívida pública

O combate à economia paralela é feito pelo lado dos incentivos há já alguns anos, mas o tipo de incentivos é que foi diferindo consoante o Governo. O Executivo de Passos Coelho, pelas mãos de Paulo Núncio, começou por atribuir automóveis em 2014, com os modelos Audi A4 e A6 (nos sorteios extraordinários). Mas em abril de 2016, António Costa quis pôr travão, pois considerou que devia apelar à poupança e não ao consumo. Neste sentido, os automóveis foram revistos e substituídos pelos CTPM, que se mantêm como prémio do concurso até à data.

Num país em que a taxa de poupança está em mínimos históricos (3,8%), o Estado apostou nos CTPM para premiar os contribuintes que ajudam com o pedido de faturas no combate à evasão fiscal — o total de prémios em CTPM vai ascende a 2,725 milhões de euros. Estes títulos de dívida pública têm recolhido também a preferência das famílias nas poucas poupanças que fazem, o que permitiu a este produto crescer 25% em 2017, atingindo os 1.864 milhões de euros. A atratividade está na taxa de juro crescente que dá, ao final de cinco anos, uma remuneração média de 2,25% sobre o capital inicial.

Mas ganha-se o quê mesmo?

O Estado oferece habitualmente o prémio de 35.000 euros em CTPM. É diferente de receber 35.000 euros? Sim, porque só os pode levantar após um ano, sendo este um produto de poupança de médio a longo prazo — a maturidade é a cinco anos. E porque os 35 mil euros ficarão a render com uma taxa de juro média acima dos produtos tradicionais no mercado, como os depósitos a prazo ou os certificados de aforro.

Funcionam assim: a taxa de juro cresce todos os anos e é sempre calculada sobre o montante inicial. Começa nos 1,25% e passa pelos 1,75%, 2,25%, 2,75% até chegar aos 3,25%. Mas atenção: os juros são brutos, estão sujeitos à habitual taxa liberatória de 28%. O quarto e quinto ano ainda podem trazer outro brinde: um prémio que corresponde a 80% do crescimento médio real do PIB e que o IGCP se compromete a publicar.

Feitas as contas, com o prémio regular, o depositante pode ganhar cerca de 2.835 euros em juros a somar aos 35 mil “investidos” e ficar com um total de cerca de 37.835 euros no final dos cinco anos — sem contar com o prémio que está dependente do crescimento positivo do PIB nacional.

Já os três contribuintes que sairão mais felizes do concurso de quinta-feira, terão automaticamente 50.000 euros investidos no Tesouro. No final de um ano, podem levantá-los em conjunto com os 450 euros que os juros vão render. Se puder e quiser esperar os cinco anos, o montante a levantar pode ascender a 54.050 euros, contando com os 4.050 euros líquidos angariados em juros.

(Texto editado por Paulo Moutinho paulo.moutinho@eco.pt)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fatura da Sorte dá mais 185 mil em dívida pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião