Estado ainda terá mais 200 milhões de despesa com o SIRESP

  • ECO
  • 30 Junho 2017

A parceria público-privada entre o Estado e o SIRESP prevê que ainda sejam pagos cerca de 200 milhões de euros até 2021, altura em que o contrato termina. De 2016 faltam pagar 41 milhões de euros.

O contrato da rede de comunicações de emergência prevê que o Estado pague mais 200 milhões de euros até 2021. O Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) tem uma fatura de cerca de 40 milhões de euros por ano, despesa que diminui nos últimos três anos do contrato. Estas projeções constam do último boletim trimestral da Unidade Técnica de Apoio às PPP (UTAP), revelado pelo Jornal Económico, relativo aos primeiros três meses deste ano.

Ao todo, o SIRESP ainda vai custar 196 milhões de euros aos cofres públicos. Nesta altura o sistema está a ser colocado em causa dada as alegadas falhas que teve na operação em Pedrógão Grande, acusações que o próprio SIRESP já veio recusar. Atualmente decorre uma auditoria pedida pela ministra da Administração Interna ao Instituto de Telecomunicações.

  • 2016: 41 milhões de euros
  • 2017: 44 milhões de euros
  • 2018: 42 milhões de euros
  • 2019: 28 milhões de euros
  • 2020: 28 milhões de euros
  • 2021: 13 milhões de euros

O contrato foi alvo de críticas pelo Tribunal de Contas, assim como as suas sucessivas renegociações operadas por vários Governos. O Público escreve esta sexta-feira que o Tribunal de Contas criticou as primeiras renegociações do SIRESP por terem sido feitas à custa de cortes nos meios. Foram vários os alertas desde o início do século, quando o SIRESP começou a ser construído, até ao momento. Um desses avisos do Tribunal de Contas é que os Governos optaram por “uma redução apreciável do objeto da prestação com uma redução do montante a despender”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado ainda terá mais 200 milhões de despesa com o SIRESP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião