Compra de dívida portuguesa pelo BCE abaixo do patamar dos 500 milhões

  • Margarida Peixoto
  • 4 Julho 2017

As compras mensais do Banco Central Europeu de dívida pública portuguesa voltaram a diminuir em junho, atingindo um novo mínimo: 498 milhões de euros.

As compras mensais de dívida pública portuguesa por parte do Banco Central Europeu (BCE) voltaram a diminuir em junho, atingindo um novo mínimo: 498 milhões de euros. Desde o início do ano que o banco liderado por Mario Draghi está a refrear as compras de títulos portugueses, no âmbito do plano de aquisição de dívida do setor público (PSPP).

Pelo terceiro mês consecutivo — em março o ciclo de reduções teve uma interrupção –, o BCE encolheu o valor das compras de obrigações do Tesouro português, tendo ficado em junho abaixo do patamar dos 500 milhões de euros. Face ao mês anterior, o banco central comprou menos seis milhões de euros, mas a diferença para maio de 2016, o mês em que as compras foram mais gordas, é já bastante significativa: 953 milhões de euros. Ou seja, num ano as compras do BCE passaram para cerca de um terço.

Compras mensais de dívida portuguesa em queda

Fonte: BCE

Este valor fica também bastante abaixo da média de compras mensais de dívida pública portuguesa, que ronda os mil milhões de euros. No final do mês passado, o BCE tinha um total de 28,1 mil milhões de euros em títulos lusos.

A tendência de diminuição das compras tem sido visível desde o início do ano, mas tornou-se ainda mais evidente desde abril, quando a magnitude do programa de estímulos do BCE foi reduzida. Em vez dos 80 milhões de euros mensais, o BCE baixou o ritmo de compras para os 60 milhões de euros. Esta medida marcou o início da reversão dos estímulos que foram implementados para ajudar à recuperação da economia europeia.

No total de todas as economias, as compras de dívida do BCE aumentaram ligeiramente (cerca de 100 milhões de euros) em junho, para 51,6 mil milhões. Mas este valor está já longe do máximo de 79,7 mil milhões que o banco central comprou em maio de 2016.

Compras mensais do BCE a baixar

Fonte: PSD

Para além desta decisão de política monetária, a redução das compras do BCE dirigidas aos títulos portugueses também está relacionada com a chave de capital de cada Estado-membro, junto do banco central. Há um conjunto de regras que limitam as compras, como por exemplo o facto de o BCE não poder ter mais de um terço da mesma linha de obrigações. No caso português, as compras estão ainda a ser limitadas pelas aquisições de dívida efetuadas durante outro programa semelhante, que vigorou entre 2010 e 2012.

Conforme tem vindo a ser explicado por Mario Draghi, a ideia é reduzir gradualmente os estímulos que estão a ser dados às economias do euro através da política monetária, mas apenas à medida que a retoma vai ganhando fôlego. O objetivo é permitir que as ferramentas no terreno sejam progressivamente retiradas, ou reajustadas, para que o efeito expansionista, dadas as condições da economia, se mantenha mais ou menos inalterado — em vez de, com o impulso da retoma, ser crescente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Compra de dívida portuguesa pelo BCE abaixo do patamar dos 500 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião