Santos Silva: Membros do Governo são sempre “precários”

  • ECO
  • 8 Julho 2017

Em duas entrevistas, o ministro dos Negócios Estrangeiros diz que remodelações nos governos são normais, mas elogiou a "lição" dada por Urbano de Sousa ao "não fugir às responsabilidades".

Augusto Santos Silva vê como “normais” as remodelações de Governo, segundo disse em entrevista ao Expresso, mas assinalou que todos os membros do Governo “sem exceção” são ministros “excelentes”. Ao Diário de Notícias e à TSF, o ministro dos Negócios Estrangeiros que chefia o Governo durante as férias de António Costa elogiou ainda a colega da Administração Interna, que entre pedidos de demissão não “foge às responsabilidades”.

Ao Expresso, o ministro cujo período à frente do Governo termina este sábado assinalou que este é um “momento muito difícil” para o Executivo, mas sem ser catastrofista. “A vida de um Governo é feita de vitórias e derrotas”, disse, e juntou que as sondagens não o assustariam: “Não interessa nada se as pessoas estão mais zangadas ou se somos mais ou menos populares”.

Questionado sobre a possibilidade de remodelações, respondeu com naturalidade: “Fazem parte da vida política. Por alguma razão, os ingleses chamam-lhe refrescamento”. E acrescentou que “qualquer membro do Governo é precário”, por definição.

Ao Diário de Notícias e à TSF, Augusto Santos Silva manteve o mesmo tom. Afirmou que Constança Urbano de Sousa, ministra da Administração Interna, está “a dar uma lição a toda a gente por não fugir às responsabilidades”, embora tenha voltado a reforçar que qualquer ministro pode estar sujeito a sair do Governo. Para o ministro dos Negócios Estrangeiros, Constança Urbano de Sousa está a “permanecer no posto de comando, fazer o que alguém nesse posto tem de fazer nestas circunstâncias”.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santos Silva: Membros do Governo são sempre “precários”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião