Defesa e Administração Interna não gastaram 302 milhões

  • ECO
  • 5 Julho 2017

Algumas infraestruturas militares dependem de segurança privada, mas o Governo garante que não é o caso de Tancos. Foram gastos 400 mil euros em videovigilância mas em Tancos continuava avariada.

Foram 302 milhões de euros que ficaram por gastar entre os ministérios da Defesa e da Administração Interna em 2016, de acordo com a Conta Geral do Estado (CGE) divulgada esta segunda-feira pela Direção-Geral do Orçamento e citada pelo Jornal de Negócios. De acordo com o Bloco e o PCP, a baixa na despesa deve-se à necessidade do Governo de apresentar um défice mais baixo às autoridades europeias para sair do Procedimento por Défice Excessivos.

O Ministério da Defesa foi aquele onde os gastos ficaram mais aquém do teto — o ministro José Azeredo Lopes poupou 240 milhões de euros na tutela da Defesa. Perante os casos do assalto a Tancos e do incêndio em Pedrógão Grande, os gastos baixos destes dois ministérios (a Segurança Interna poupou 62 milhões de euros do orçamento que lhe fora atribuído) ficam mais evidenciados.

De acordo com o jornal Público, há dois anos que se sabia que o sistema de videovigilância nos Paióis Nacionais de Tancos, de onde foi roubado armamento em grandes quantidades, estava avariado. Entretanto, já foram gastos mais de 400 mil euros para adquirir equipamento de videovigilância em várias unidades, mas não em Tancos. O ministro da Defesa afirmou que já se previa corrigir a situação de Tancos em 2018.

O Público noticia ainda que várias instalações militares, por “ausência de recursos próprios”, têm recorrido desde 2009 a empresas privadas de segurança para assegurar as suas infraestruturas. Em instalações como o Reduto Gomes Freire, onde fica a força naval da NATO, por exemplo, a segurança é assegurada por empresas privadas. No entanto, o Governo garante que em Tancos a segurança é feita por “meios militares”.

Na TVI, o comentador José Miguel Júdice afirmou que os assaltantes de Tancos eram já conhecidos. “Quem me disse isto é um político de nível muito elevado que me disse o seguinte: este bando, ou este grupo, já estava sob suspeita das forças de investigação, das polícias, e não os conseguiram por sob escuta. Estavam a persegui-los, segundo parece, para os apanhar em flagrante delito”, afirmou o advogado, no seu espaço de comentário no canal.

Entretanto, assinala o Diário de Notícias, após os oficiais do exército terem desconvocado o seu protesto perante a Presidência da República pela exoneração dos comandantes de Tancos no início da investigação ao furto, o chefe do Estado-Maior do Exército afirmou ter “a máxima confiança” nos cinco oficiais. A exoneração “não deve ser interpretada como uma atribuição de culpabilidade dos referidos oficiais, relativamente aos quais sublinhou a sua máxima confiança, mas antes criar melhores condições para o desenvolvimento dos processos de averiguações”, lia-se num documento distribuído internamente e a que o Diário de Notícias teve acesso, que resumia a reunião do Estado-Maior do Exército.

Reuniões e audição marcadas para esta semana

Esta quarta-feira, quatro ministros vão reunir nas instalações do Sistema de Segurança Interna, em Lisboa. Em representação de António Costa estará o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, para fazer um ponto de situação acerca de Tancos. Estarão presentes o ministro da Defesa, a ministra da Administração Interna — que esta manhã estará também no Parlamento para responder às questões dos deputados, tal como o ministro da Agricultura –, e também Francisca Van Dúnem, ministra da Justiça. A reunião vai contar ainda com o chefe do Estado-Maior Rovisco Duarte, com representantes da Procuradoria-Geral da República, da GNR, PSP e Polícia Judiciária, assim como do SEF, da Polícia Marítima, e dos Serviços de Informações e Segurança (SIS), de Informações Estratégias de Defesa (SIED) e do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP).

Mais tarde, na quinta e sexta-feira, o ministro da Defesa e o chefe de Estado-Maior do Exército vão ser ouvidos no Parlamento por requerimentos do PSD e do CDS, que foram aprovados por unanimidade. Azeredo Lopes terá a sua audição na sexta-feira às 16h, e Rovisco Duarte na quinta-feira às 18h.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Defesa e Administração Interna não gastaram 302 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião