Ministério Público abre inquérito ao caso de Tancos

A Procuradoria-Geral da República anunciou esta terça-feira que abriu um inquérito ao caso de Tancos. MP confirma suspeitas de tráfico de armas e terrorismo internacional.

O Ministério Público diz existirem “suspeitas da prática dos crimes de associação criminosa, tráfico de armas internacional e terrorismo internacional“. Em comunicado, a Procuradoria-Geral da República considera que a investigação relativa aos “factos cometidos” em Tancos deve continuar no âmbito de um inquérito “com objeto mais vasto a ser investigado no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP)”.

O órgão liderado por Joana Marques Vidal explica que foram logo iniciadas investigações após a notícia do roubo em Tancos. “Face a notícias relativas ao desaparecimento de material de guerra ocorrido em Tancos foram, desde logo, nos termos legais, iniciadas investigações”, lê-se no comunicado de imprensa divulgado esta terça-feira. Após esta investigação, o Ministério Público considerou que o caso integra-se numa “realidade mais vasta”.

“Estão em causa, entre outras, suspeitas da prática dos crimes de associação criminosa, tráfico de armas internacional e terrorismo internacional”, avança a Procuradoria-Geral da República, confirmando as suspeitas que já existiam. Esta terça-feira o Público avançou que está a ser descartada a hipótese de ligações ao terrorismo, suspeitando-se antes que os criminosos sejam pessoas ligadas ao tráfico internacional de armas.

“Atenta a natureza e gravidade destes crimes e os diferentes bens jurídicos protegidos pelas respetivas normas incriminadoras, o Ministério Público decidiu que a investigação relativa aos factos cometidos em Tancos deveria prosseguir no âmbito de um inquérito com objeto mais vasto a ser investigado no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP)”, anuncia o Ministério Público. Desta investigação fazem também parte a Unidade Nacional Contra Terrorismo (UNCT) e a Polícia Judiciária Militar. “O inquérito encontra-se em segredo de justiça”, revela a PGR.

(Atualizado às 13h56)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério Público abre inquérito ao caso de Tancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião