Tancos: Passos ao ataque. Esquerda pede explicações

  • ECO
  • 2 Julho 2017

O ministro da Defesa, Azeredo Lopes, está debaixo de fogo. E nem a demissão de cinco comandantes do Exército apaziguou os ânimos.

A pressão política sobre o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes continua. O furto de material de guerra em Tancos leva a direita a atacar o ministro, já PS e os restantes partidos da esquerda querem ouvir esclarecimentos no Parlamento.

Passos Coelho é o mais acutilante e já no dia de sábado afirmou estranhar que o ministro Azeredo Lopes tenha assumido responsabilidades políticas no caso, sem contudo colocar o lugar à disposição. Passos afirmou mesmo que: “temos um ministro da Defesa sem que ninguém saiba associar isso a qualquer ação. Era importante que o país soubesse o que é que isto quer dizer”.

O líder do PSD , de resto tinha, demonstrado a sua surpresa por não ter ainda havido demissões na hierarquia militar, o que acabou por acontecer no final do dia se sábado quando o Chefe de Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte anunciou a exoneração de cinco comandos das unidades de ramo.

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas também já veio exigir respostas ao Governo. Cristas afirmou mesmo que caso deixa Portugal numa situação incómoda.

Esquerda viabiliza ida do ministro ao Parlamento

A Esquerda por seu turno também está preocupada com o roubo de material militar de Tancos e já afirmou que vai viabilizar a ida do ministro da Defesa ao Parlamento. Idêntico comportamento tem o PS.

O líder do PCP considera que a avaria do sistema de videovigilância é reveladora do estado de degradação das Forças Armadas. Jerónimo de Sousa diz no entanto que as culpas são repartidas pelos sucessivos governos.

Já o Bloco de Esquerda interroga levanta a questão: “Como foi possível o roubo de uma grande quantidade de armamento militar das instalações de Tancos e o que terá falhado?”.

A pressão política faz-se sentir numa altura em que se fica a saber que Tancos esteve 20 horas sem rondas de vigilância na noite do assalto, como escreve na edição deste domingo o Público. Dos 20 paióis apenas três foram assaltados, precisamente os que tinham o material mais relevante.

(Notícia atualizada às 18h30 com a citação completa de Pedro Passos Coelho)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tancos: Passos ao ataque. Esquerda pede explicações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião