Assalto a Tancos pode estar ligado a crime organizado

  • ECO
  • 4 Julho 2017

Começa a descartar-se mão terrorista, mas pode haver uma ligação ao crime organizado. As rondas nos paióis vão intensificar-se, à medida que embaixadas estrangeiras pedem informação sobre o caso.

Os serviços de segurança acreditam que o assalto aos paióis de Tancos pode ter sido orquestrado por uma rede internacional de crime organizado, segundo disseram ao Público fontes da área. Já começa a descartar-se a hipótese de ligações ao terrorismo, suspeitando-se antes que os criminosos sejam pessoas ligadas ao tráfico internacional de armas.

Para descartar a hipótese terrorista tem de se ter em conta que a ação dessas organizações, na Europa, não tem feito uso deste tipo de armas, mas sim de explosivos produzidos em casa, de automóveis e camiões, e de facas.

As fontes que falaram ao Público assinalaram ainda que seria “quase impossível” levar a cabo um assalto como este a Tancos sem uma fonte de informação interna, que facultasse pelo menos dados sobre os conteúdos dos paióis, já que os assaltantes sabiam a qual se dirigir para roubar os explosivos e armamento que pretendiam.

Para melhor proteger os paióis daqui para a frente, o Exército vai voltar a aplicar as normas de segurança que estavam em uso nos anos 1980, adianta o Diário de Notícias desta terça-feira. Os militares vão voltar a fazer as suas rondas com armas carregadas — para evitar acidentes, há muito que as rondas eram realizadas sem munições disponíveis nas armas. Serão ainda acrescentados militares aos grupos de patrulha e criar uma “força de reforço” num regimento específico para chegar aos restantes caso seja necessário.

Estas revelações surgem no dia antes de um protesto simbólico, programado para esta quarta-feira, em que oficiais do Exército irão deixar as suas espadas à porta da Presidência da República, em Belém, em solidariedade para com os coronéis que foram afastados devido ao assalto em Tancos.

O Correio da Manhã avança que o assalto está a gerar preocupação junto de outros países — embaixadas de países da CPLP, da Turquia e dos Estados Unidos da América pediram informações ao Governo português sobre quais os procedimentos que estão a ser utilizados para encontrar o material roubado.

Perante exigências de que sejam demitidos os ministros da Administração Interna e da Defesa, Constança Urbano de Sousa e Azeredo Lopes, feitas por Assunção Cristas, o ministro dos Negócios Estrangeiros defendeu os colegas, “Evidentemente, estão à altura do atual Governo”, disse Augusto Santos Silva, em entrevista ao Jornal 2 da RTP. “Eu compreendo as iniciativas da oposição, peço apenas que se procure manter as Forças Armadas afastadas do jogo político, porque devemos esse respeito a essa instituição fundamental da nação portuguesa que são as Forças Armadas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Assalto a Tancos pode estar ligado a crime organizado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião