Tancos: Marcelo quer “investigação que apure tudo”

  • Lusa
  • 2 Julho 2017

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defende "uma investigação que apure tudo, factos e responsabilidades", no caso do furto de material de guerra que ocorreu em Tancos.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu hoje “uma investigação que apure tudo, factos e responsabilidades”, no caso do furto de material de guerra que ocorreu na semana passada nos Paióis de Tancos.

“Primeiro, não haver dúvidas que se deve investigar até ao fim em matéria de factos e responsabilidades”, defendeu o chefe de Estado, em declarações aos jornalistas no final da inauguração do novo edifício do Hospital de Sant’ana, na Parede (concelho de Cascais).

"Primeiro, não haver dúvidas que se deve investigar até ao fim em matéria de factos e responsabilidades”

Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República

Na primeira vez que se referiu a este caso, o Presidente da República elencou, além da investigação – que comparou até à do caso da morte de Comandos -, outras três questões que considera prioritárias.

“Segundo, que tem de se prevenir o futuro para que não haja de seis em seis anos furtos destes e com gravidade crescente”, definiu, numa referência a um furto no Carregado (concelho de Alenquer) no final de 2010.

Em terceiro lugar, o chefe de Estado pediu que se investigue se existe alguma ligação entre este furto e outros dois que disse terem acontecido “nos últimos dois anos em países membros da NATO, um deles há poucos meses”, sem especificar a que Estados se referia.

“Foram vários os furtos que parecem ter semelhança com este, tem de se apurar se sim ou se não”, disse.

"Se for necessário tomar medidas que são meramente destinadas a facilitar a investigação, faz sentido tomá-las”

Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República

Por fim, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que, “se no percurso da investigação, que ainda não está no fim, for necessário tomar medidas cautelares”, elas devem ser tomadas, salientando que não se trata de “medidas punitivas”.

Se for necessário tomar medidas que são meramente destinadas a facilitar a investigação, faz sentido tomá-las“, disse, sem concretizar se se referia às cinco exonerações de comandantes de ramos anunciadas no sábado pelo Chefe de Estado-Maior do Exército.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tancos: Marcelo quer “investigação que apure tudo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião