Assunção Cristas pede demissão de dois ministros

  • ECO
  • 6 Julho 2017

A líder do CDS pede a demissão da ministra da Administração Interna e do ministro da Defesa, mas ainda não é o momento de pedir a demissão do Governo, defende.

A líder do CDS pede a demissão da ministra da Administração Interna e do ministro da Defesa. Assunção Cristas, em entrevista à Antena 1, não considera que seja o momento de exigir a demissão do Governo, porque “não quer queimar etapas”, mas defende que Constança Urbano de Sousa e Azeredo Lopes devem ser emitidos. Um pedido “com todas as letras” para que não restem dúvidas.

Estamos ainda longe desse momento”, de exigir a demissão do Executivo, disse Assunção Cristas. “Existe um Governo. É preciso que mostre que governa. Não queimamos etapas”. “Até agora ninguém tinha dito com todas as letras que era preciso substituir os ministros. Neste momento foi dito com todas as letras e é importante que o primeiro-ministro diga alguma coisa. Ainda não o disse até hoje”.

"Até agora ninguém tinha dito com todas as letras que era preciso substituir os ministros. Neste momento foi dito com todas as letras e é importante que o primeiro-ministro diga alguma coisa.”

Assunção Cristas

Líder do CDS-PP

E se não o disser? A líder do CDS deixa para um momento posterior o que partido fará. “Faremos essa avaliação. Não gosto de antecipar cenários. Esperámos e percorremos um caminho até aqui”, diz Assunção Cristas, lembrando que cumpriram os dias de luto nacional e elaboraram uma lista de 25 perguntas (das quais não obtiveram qualquer resposta até agora) que enviaram ao primeiro-ministro, quando perceberam que António Costa estava “a dar indicações diretas aos serviços até por cima da sua ministra”. “Um sinal de que a ministra está fragilizada. Então a pergunta é: o que é que a ministra está ali a fazer?”

"O primeiro-ministro estava a dar indicações diretas aos serviços até por cima da sua ministra. Um sinal de que a ministra está fragilizada. Então a pergunta é: o que é que a ministra está ali a fazer?”

Assunção Cristas

Líder do CDS-PP

Para a líder do CDS não está em causa o regular funcionamento das instituições. “Enquanto houver um primeiro-ministro com apoio parlamentar e que, certamente se relaciona regularmente com o Presidente da República e com o Parlamento, não creio que possamos dizer que isso está em causa. O que está em causa é uma erosão enorme do Estado, uma quebra profunda da confiança que todos os portugueses têm no próprio Estado e por isso entendemos que o remédio, neste momento, é substituir os ministros em causa”.

Cristas não responsabiliza o Governo pelo ocorrido em Pedrógão Grande ou pelos roubos em Tancos, “mas o que não pode acontecer é este tipo de reação”. Para a líder centrista “este Governo não tem estado à altura da gravidade das situações, porque não falou a uma só voz nem teve autoridade”.

"Este Governo não tem estado à altura da gravidade das situações, porque não falou a uma só voz nem teve autoridade.”

Assunção Cristas

Líder do CDS-PP

Quanto ao dossier das autárquicas, Assunção Cristas admite que seria mais fácil vencer a Câmara de Lisboa se tivesse o apoio do PSD. “Com certeza que se tivéssemos uma só candidatura, certamente que era mais fácil ganhar”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Assunção Cristas pede demissão de dois ministros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião