EIA vai trazer know-how de Silicon Valley para Portugal

  • ECO
  • 11 Julho 2017

Ricardo Marvão, Head of Global Projects da Beta-i, destaca a importância de trazer a European Innovation Academy a Portugal. Defende que vai ajudar a mudar o mindset dos estudantes universitário.

A ideia de trazer a EIA para Portugal nasceu no ano passado. Ricardo Marvão, Head of Global Projects da Beta-i, quis importar para o país, mas especialmente para o “ecossistema empreendedor estudantil” nacional o know-how de Silicon Valley. “O objetivo final passa por ajudar a mudar o mindset dos estudantes universitários, e expandir os seus horizontes e competências”, salienta o responsável da Beta-i.

Por que se associaram à EIA? Em que consiste esta parceria?

Quando fundámos a Beta-i, rapidamente implementámos uma premissa: iríamos trabalhar, ano após ano, nas lacunas do ecossistema. Sete anos depois podemos dizer que o ecossistema evoluiu muito, mas é verdade que ainda há lacunas por preencher. Esta é uma das muitas iniciativas internacionais que estamos a preparar. Em janeiro de 2016 partimos para a ideia de trazer a EIA para Portugal e procurar o know-how que fazia falta trazer para o ecossistema empreendedor estudantil. Esta ligação às universidades, à Academia e aos alunos universitários, é um dos pontos fracos do ecossistema português.

Aliás, bem vistas as coisas, a maioria das universidades ainda incentivam muito os jovens para “trabalhar para alguém”, e não tanto para tentar lançar a sua própria ideia, o seu próprio projeto. Por isso, procurámos um programa como o da Innovation Academy para trazer para Portugal, uma vez que este procura incentivar os jovens universitários a pensar em conjunto numa ideia, num ambiente internacional e interdisciplinar.

O que significa, para vocês, esta parceria? O que esperam retirar dela?

O programa dura três semanas, foi desenhado especificamente para estudantes universitários, e é desenvolvido há vários anos em colaboração com três instituições de topo, como são as Universidades de Berkeley e Stanford, e a Google, sendo que pretende trazer também para a Europa algum do know-how de Silicon Valley ligado aos estudantes universitários. As próximas parcerias internacionais em que estamos já a trabalhar estarão mais focadas em trazer mais valor para a inovação corporate, as grandes empresas que trazem um grande impacto para a economia do país.

Olhando para estas valências, e para os reflexos que podem ter, é para nós óbvio que tem potencial de estimular de forma significativa a cultura empreendedora entre os estudantes, e aumentar o seu potencial de sucesso a vários níveis. O objetivo final passa por ajudar a mudar o mindset dos estudantes universitários, e expandir os seus horizontes e competências. E isso é, na essência, a missão da Beta-i.

Que impacto é que um programa desta natureza e envergadura poderá ter em Portugal?

Esta academia é um dos nossos primeiros passos na área da Educação para pôr Portugal no mapa para os estudantes internacionais (estamos já a trabalhar nos próximos projetos internacionais que queremos trazer para Portugal), mas é também uma oportunidade para reunir os melhores estudantes universitários de universidades portuguesas e de todo o mundo em torno de um único objetivo. Os alunos vão estar imersos num contexto multicultural de 400 participantes, sendo 75 portugueses e vindo de 10 universidades nacionais, oradores, mentores e investidores, oriundos de 63 nacionalidades diferentes.

O facto de os participantes terem de formar equipas, que vão trabalhar durante essas três semanas com formadores, mentores e investidores, será importante, uma vez que os coloca no papel de empreendedores, obrigando-os a crescer, a escolher prioridades, a delegar tarefas, ou seja, a pensar como uma equipa e uma startup. Isso em si mesmo não é uma garantia de sucesso para o futuro, mas de certeza que é um passo na direção certa, no sentido de capacitar estes jovens para os desafios da economia digital que o futuro parece prometer.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EIA vai trazer know-how de Silicon Valley para Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião