BE exige três garantias ao Governo para resolver “défice escondido”

  • Margarida Peixoto e Marta Santos Silva
  • 12 Julho 2017

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, deixou três exigências ao Governo no debate sobre o Estado da Nação.

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, deixou três exigências ao Governo durante o debate sobre o Estado da Nação, esta quarta-feira, na Assembleia da República. A bloquista quer ver reafirmados os compromissos quanto ao aumento do salário mínimo nacional, a reversão das alterações laborais impostas pela troika e mais progressividade no IRS. Costa respondeu, mas sem detalhes.

Para Catarina Martins, este é “o défice escondido” que precisa de ser combatido, por oposição à prioridade que consideram ter sido dada ao combate ao défice orçamental. “Dois milhões e 600 mil pessoas em situação de pobreza, crianças sem acesso a creches, populações sem acesso a serviços públicos (…) é esse o défice que temos de combater,” frisou a deputada bloquista.

E deixou uma pergunta, e um pedido de três garantias: primeiro, quis saber quando chegará a despenalização das reformas para longas carreiras contributivas. “Quando é que acaba o fator de sustentabilidade?” questionou.

E de seguida, as três garantias que quer ver dadas:

  1. Que em janeiro de 2018 o salário mínimo nacional será de 580 euros “tal como consta do Programa do Governo”;
  2. Que serão revertidas as alterações laborais exigidas pela troika;
  3. Que haverá maior progressividade do IRS. “Temos agora que mexer nos escalões,” frisou.

Na resposta, o primeiro-ministro respondeu afirmativamente, mas sem detalhes. Disse que o salário mínimo e a reversão da legislação laboral da troika são prioridades, e que no IRS haverá mais progressividade. Mas não detalhou nem calendários — no caso da reversão da legislação laboral — nem em que moldes será aumentado o número de escalões de IRS ou que alívio trará a mudança para os contribuintes.

Um dos pontos que faz parte das negociações entre o Governo e os parceiros à esquerda para o Orçamento do Estado para 2018 é precisamente o alívio no IRS. Os bloquistas têm frisado que é preciso reverter o enorme aumento de impostos aplicado durante o programa de ajustamento da troika, mas a dimensão da baixa do IRS que querem vai muito para além dos montantes a que o Governo de Costa se tem disponibilizado. Enquanto o Executivo tem previsto um alívio na ordem dos 200 milhões de euros, o BE tem pedido 600 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE exige três garantias ao Governo para resolver “défice escondido”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião