Nova emissão de obrigações para retalho só paga 1,6%

O Tesouro vai emitir um mínimo de 500 milhões de euros em OTRV. É mais uma emissão de títulos de dívida pública para retalho com vista à captação de poupanças dos emigrantes.

Vem aí uma nova emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV). O Governo aprovou a emissão de mais 500 milhões de euros nestes títulos de dívida destinados a pequenos investidores, sendo que o período em que decorre a nova oferta revela a tentativa de captar poupanças dos emigrantes. A taxa é a mais baixa de todas as emissões de OTRV. Paga um juro bruto de 1,6%.

As OTRV, nesta quinta emissão destes títulos, contam com “uma taxa de juro variável e igual à Euribor 6 meses definida no segundo ‘Dia Útil Target’ anterior ao início de cada período de juros, acrescida de 1,60%, com uma taxa de juro mínima de 1,60%”, diz o aviso da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) publicado no final da passada quarta-feira em Diário da República.

O prémio de 1,6% é o mais baixo do total de emissões já realizadas pela entidade liderada por Cristina Casalinho. Compara com o juro de 1,9% oferecido na última emissão realizada em março deste ano, mas também com as três operações realizadas no ano passado. Em novembro foi oferecido um juro de 2%, enquanto nas emissões de agosto e abril, as taxas foram de 2,05% e 2,2%, respetivamente.

500 milhões, mas pode ser mais

Estas “OTRV Agosto 2022” têm data de vencimento a 2 de agosto de 2022, com os juros a serem pagos semestral e postecipadamente em 2 de fevereiro e 2 de agosto de cada ano. A entrada destes títulos no mercado é a 2 de agosto, sendo que quem pretender aplicar as suas poupanças nestes títulos de dívida pública terá de colocar uma oferta durante o prazo de subscrição que decorre entre os dia 17 e 28 de julho de 2017, escreve o IGCP no seu site.

Esta nova emissão de OTRV mantém as características principais das quatro operações anteriores. Está disponível para montantes de investimento a partir de mil euros que podem ir até um máximo de um milhão de euros, sendo a subscrição realizada por múltiplos de mil euros. O IGCP pretende financiar-se em 500 milhões de euros, mas pode emitir mais. “Valor que poderá ser aumentado, por opção do emitente, até ao dia 21 de julho de 2017, inclusive”, diz o aviso do IGCP.

Aposta na poupança dos emigrantes

De recordar que as anteriores emissões de OTRV têm despertado muito apetite por parte dos pequenos investidores, em busca de formas de rentabilizarem as suas poupanças, perante a oferta pouco competitiva disponibilizada pelos bancos. Com as quatro emissões já realizadas, o Estado conseguiu 4.450 milhões de euros.

Apesar de a remuneração oferecida ser a mais baixa de sempre, não deverá ser difícil ao Tesouro colocar o total dos 500 milhões de euros que serão disponibilizados inicialmente, devendo mesmo poder vir a acontecer um aumento dessa quantia à semelhança das operações anteriores. Até pelo timing escolhido para a sua realização que coincide com o período em que muitos emigrantes portugueses regressam a Portugal para passar férias. Já no ano passado, o Tesouro realizou uma emissão de OTRV na mesma ocasião.

(Notícia atualizada às 10h55, com mais detalhes)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova emissão de obrigações para retalho só paga 1,6%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião