Offshores: Falcao paga 8,2 milhões ao Fisco espanhol

Radamel Falcao aceitou pagar 8,2 milhões de euros ao Fisco espanhol para liquidar os impostos em falta. O ex-jogador do Porto assumiu assim o esquema de fraude fiscal que usou.

Foi entre 2011 e 2013 que Radamel Falcao passou por Espanha para jogar no Atlético de Madrid. O jogador colombiano, que atualmente joga no Mónaco, chegou a acordo com o Fisco espanhol para terminar o processo judicial. Falcao pagou 8,2 milhões de euros, segundo o El Mundo. O Ministério Público tinha-o acusado de fraude fiscal avaliada em 5,6 milhões de euros.

Depois de sair do Porto, Falcao rumou ao Atlético de Madrid. Nos dois anos que esteve em Espanha não pagou os impostos devidos pelos seus direitos de imagem. Esta fuga ao Fisco espanhola terá sido sugerida por Jorge Mendes, disse o próprio jogador em tribunal, segundo o jornal espanhol. Em audiência, Mendes negou que tenha dado assessoria fiscal e financeira aos seus jogadores.

O acordo previa o pagamento de 7,4 milhões de euros, valor em que o Fisco espanhol tinha sido defraudado, segundo as autoridades espanholas. Além disso, Falcao teve também de pagar 790 mil euros em juros de mora. Segundo o El Mundo, a operação materializou-se há pouco dias através do CaixaBank.

Ao assumir a culpa pela fraude fiscal, o jogador vai ter agora de negociar uma sentença em conformidade com o delito fiscal, mas o acordo previne-o de uma multa e pena superiores. Falcao foi acusado de ter criado uma sociedade opaca com o único fim de ocultar ao Fisco espanhol as receitas geradas em Espanha pelos seus direitos de imagem obtidos em 2012 e 2013, valores que também não foram declarados fora de Espanha.

No início do mês, Fábio Coentrão também tinha pago 1,7 milhões de euros ao Fisco espanhol para regularizar a sua situação. Ambos os jogadores são agenciados por Jorge Mendes, o empresário português que domina a Gestifute e outras sociedades sediadas na Irlanda, que alegadamente terão sido usadas para os esquemas fiscais que vários jogadores do seu portefólio estão a ser acusados.

Ainda se esperam desenvolvimentos nos casos de Cristiano Ronaldo (14,8 milhões de euros) — que irá a tribunal no dia 31 de julho –, José Mourinho (3,3 milhões de euros) e Ricardo Carvalho (500 mil euros). Pepe e Di María, assim como Fábio Coentrão, já pagaram ao Fisco para regularizar a sua situação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offshores: Falcao paga 8,2 milhões ao Fisco espanhol

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião