Costa diz que “matar o Turismo” não é solução para habitação no Porto e Lisboa

  • Lusa
  • 17 Julho 2017

António Costa apontou mesmo a habitação como "uma das políticas centrais" da legislatura, lamentando que o país tenha abandonado no final dos anos 90 o "esforço" das políticas públicas nesta área.

O secretário-geral do PS afirmou hoje que a solução para a habitação “não é matar o Turismo”, mas tornar Lisboa e Porto “cidades da diversidade”, salientado que “não se pode expulsar as classes médias” daqueles centros urbanos.

No Porto, na apresentação da candidatura de Manuel Pizarro à Câmara Municipal do Porto como cabeça de lista pelo PS, António Costa apontou mesmo a habitação como “uma das políticas centrais” da legislatura, lamentando que o país tenha abandonado no final dos anos 90 o “esforço” das políticas públicas naquela área.

“Deixem-me ser muito claro sobre isso. A solução não está em matar o Turismo, porque o Turismo é uma componente fundamental das cidades, o que isso tem transformado Lisboa, o que isso tem transformado o Porto”, disse, num discurso muito pautado pelo clima autárquico da cidade do Porto, com elogios à lealdade de Manuel Pizarro enquanto vereador ao presidente da autarquia portuense, Rui Moreira, com quem chegou a ser equacionado concorrer nas eleições de 1 de outubro.

Para o líder socialista, “a solução está em ter uma cidade da diversidade, uma cidade para todos, onde todos caibam, onde caibam aqueles que aqui procuram refúgio porque fogem da guerra da Síria, que vem para cá estudar (…), que caibam cá aqueles estrangeiros que cá querem viver porque aqui encontraram o amor para poderem construir a sua vida”.

António Costa explanou que “não basta ter um bom aeroporto, ter boa gastronomia, bons bares, ter as Galerias de Paris, estar na onda, para que os turistas venham visitar as cidades”, porque, salientou, “o turismo de cidade vem à procura de experiência nova, daquilo que é diferente e aquilo que dá diferença são as pessoas que lá vivem”.

Por isso, Costa deixou um aviso: “Se queremos cidades vivas e coesas não podemos expulsar as classes médias das cidades, se queremos cidades com vida, temos que ter as novas gerações e os jovens a viver nos centros das cidades”, alertou.

“Aqui têm direito a viver aqueles que querem visitar-nos como turistas, mas aqui têm que ter direito também a viver os que simplesmente são portuenses e que querem continuar a ser portuenses”, afirmou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa diz que “matar o Turismo” não é solução para habitação no Porto e Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião