Diminuição de rega nos jardins e proibição de enchimento de piscinas entre medidas para seca

  • Lusa
  • 19 Julho 2017

Medidas foram aprovadas esta quarta-feira para reduzir os efeitos da seca no país.

Diminuir a rega nos jardins, encerrar fontes decorativas e proibir enchimento de piscinas em zonas do Alentejo são algumas das medidas preventivas hoje aprovadas para reduzir os efeitos da seca no país.

Estas medidas que obrigam a uma redução do consumo urbano da água fazem parte do Plano de Prevenção, Monitorização e Acompanhamento dos Efeitos da Seca hoje aprovado na primeira reunião da comissão, de caráter interministerial, que tem por missão identificar os problemas e acompanhar a evolução da atual situação da seca em Portugal continental.

Entre as medidas de redução dos consumos urbanos estão a diminuição da rega dos jardins e hortas e respetiva prática em horários apropriados, proibição nas zonas mais críticas de enchimento de piscinas, lavagens de viaturas, diminuir para rega de sobrevivência das zonas verdes e encerramento de fontes decorativas, quando não funcionam em circuito fechado.

Esta medida deve ser aplicada em Alcácer do Sal, Aljustrel, Alvito, Ferreira do Alentejo, Grândola, Santiago do Cacém, Sines, Viana do Castelo, Almodôvar, Castro Verde, Redondo, Alandroal, Arraiolos, Arronches e Borba.

Na conferência de imprensa realizada após esta reunião interministerial, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, adiantou que outras das medidas em cima da mesa passam por equacionar a necessidade de restringir alguns usos, nomeadamente em albufeiras como Monte da Rocha e da Vigia, e delimitar a produção de energia elétrica na albufeira de Póvoas e Meadas.

João Matos Fernandes disse também que as captações de água subterrâneas nestes territórios vão passar a carecer de autorização, tendo em conta que é necessário saber a quantidade de água que está a ser retirada do solo.

O ministro da Administração avançou também que é necessário garantir soluções coletivas de abeberamento dos animais e inibir que os animais possam beber diretamente da margem das albufeiras.

Promover a remoção de peixes das albufeiras do Divor e Pego do Altar, bem como avaliar a implementação dessa ação na albufeira do Monte da Rocha, é outra das medidas do plano hoje aprovado.

O ministro do Ambiente disse também que o calendário destas medidas começa hoje, considerando que devem ser estendidas a todo o país.

O governante deu ainda conta de que, neste momento, estão a ser executados um conjunto de furos em Odemira, Arraiolos, Avis, Borba, Alandroal e Mértola, como fontes suplementares ao abastecimento de água humano.

Também presente na conferência de imprensa, o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Capoulas Santos, afirmou que a seca atinge vários setores da sociedade, nomeadamente o agrícola e mais concretamente a pecuária.

Capoulas Santos referiu que, no seio do Ministério da Agricultura, foi criada uma comissão específica, que envolve as organizações de produtores e as principais confederações agrícolas, para acompanhar de forma permanente este fenómeno.

O ministro sublinhou que, na terça-feira, Portugal conseguiu obter autorização da Comissão Europeia para antecipar os pagamentos da Política Agrícola Comum, permitindo antecipar para outubro o pagamento de cerca de 400 milhões de euros a todos os agricultores do país.

Outra autorização da Comissão Europeia foi a permissão para o pastoreio de algumas áreas que, de acordo com o regulamento, não podem ser pastoreadas.

Capoulas Santos adiantou que será aberta esta exceção para garantir alimento suplementar aos animais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Diminuição de rega nos jardins e proibição de enchimento de piscinas entre medidas para seca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião