Óculos da Google ganham nova vida. Mas só para usar no trabalho

Os Google Glasses, um projeto que a empresa arrumou na gaveta em 2015, vão ter uma nova vida. Mas não os vai ver nas ruas: o novo gadget foi feito para ser usado no local de trabalho.

Os novos Glass EE são semelhantes a óculos de proteção, mas permitem visualizar informações sobre o campo de visão do utilizador.

A Google deu uma segunda oportunidade aos Google Glasses, os óculos de realidade aumentada que a marca apresentou em 2012. O projeto nunca se tornou realmente um produto comercial e a ideia foi posta na gaveta em janeiro de 2015. No entanto, como revelou a revista Wired, a Google não arrumou o projeto por completo, como se pensava: uma pequena equipa ficou responsável por adaptar o conceito e desenvolver uma versão dos óculos para serem usados em ambiente empresarial.

E foi por isso que, agora, a Google veio dizer: senhoras e senhores, eis os novos Google Glass Enterprise Edition, ou Glass EE. O gadget esteve em experimentação de forma muito subtil numa fábrica de motores para tratores, numa zona rural em Jackson, no Estado norte-americano do Minnesota. O programa de testes terá durado dois anos e, entretanto, terá chegado a outras empresas bem maiores: General Electric, DHL, Boeing e Volkswagen, entre outras.

Os óculos da Google ficaram conhecidos por, através de um minúsculo projetor no canto da armação, aplicarem uma nova camada de informação sobre o campo de visão de quem os usava — uma tecnologia conhecida por realidade aumentada. Por outras palavras, era possível usar comandos de voz para executar funções e o ecrã era, nada mais, nada menos do que o olhar. A versão comum permitia fazer partilhas nas redes sociais, tirar fotografias e gravar vídeo. E foram estas funções que, por razões de privacidade, levaram a que a ideia não tivesse grandes pernas para andar.

Contudo, de acordo com a revista norte-americana, a nova versão dos óculos é ligeiramente diferente da versão que fez correr muita tinta há uns anos. Têm um LED indicador para que toda a gente saiba quando os óculos estão a gravar ou a fotografar, a própria câmara foi melhorada e o sistema conta com 2 GB de memória RAM e 32 GB de armazenamento. A conectividade via Bluetooth e Wi-Fi também teve melhoramentos. Além do mais, são mais práticos e as hastes dobram-se para os tornar mais fáceis de arrumar.

O conceito está também mais modesto e existem 11 empresas com direitos de distribuição: nove nos Estados Unidos e duas na Europa. Uma dessas empresas é espanhola, garante o site de tecnologia CincoDías. Segundo a Wired, que visitou um local de trabalho onde a tecnologia já está incorporada, os funcionários colocam os óculos e, na hora de regressar a casa, deixam-nos na empresa. Durante o trabalho, ninguém acha estranho quando alguém sussurra “Ok, Google: proceder”. Afinal, é apenas um murmúrio do século XXI, com um trave a tecnologia e a revolução industrial.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Óculos da Google ganham nova vida. Mas só para usar no trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião